Espaço Família | Como Cresceram

Internet & Tecnologia

21 de Novembro de 2014

Vai criar um perfil de Facebook para uma criança?

facebook_baby

É comum ver perfis de crianças nas redes sociais. Contudo, permitir a entrada precoce dos jovens na rede pode trazer consigo consequências pouco positivas.

Reunimos alguns motivos pelos quais a rede apresenta riscos para as crianças:

1) O Facebook é proibido a menores de 13 anos

De acordo com as suas regras de utilização, a entrada do Facebook é proibida a menores de 13 anos. Apesar de não haver unanimidade sobre a idade ideal para entrada na rede, o objetivo do limite é permitir a entrada de pessoas que consigam distinguir o certo do errado e fazer escolhas baseadas nos seus valores e ideais.

2) Privacidade nas partilhas

Um dos principais motivos para manter menores de 13 anos fora desta rede refere-se à privacidade das publicações e partilhas na rede. Apesar do avançado grau de conhecimentos destas novas gerações, estes podem não compreender a totalidade e importância das definições de privacidade.

3) Localização Acessível

As conversas em chats, disponibilizam a localização dos utilizadores quando uma mensagem é enviada por um dispositivo móvel (tablet e smartphone) ou computador. Para além disso, a publicação imediata de fotografias com referências de geolocalização permite que outros utilizadores tenham acesso aos locais que a criança costuma frequentar. Sem o bloqueio desta função, as crianças são um alvo vulnerável.

4) Contacto com estranhos

Um dos objetivos das redes sociais é aproximar os amigos e conhecidos através da partilha de interesses e publicações e permitir que os utilizadores conheçam novos contactos através da plataforma. Desta forma, qualquer pessoa pode ter acesso ao perfil de uma criança. É necessário que os pais fiquem atentos a esta questão e que orientem a criança a, por exemplo, não utilizar a webcam com desconhecidos, nem partilhar detalhes da vida pessoal através de publicações ou conversas de chat.

5) SPAM, pornografia, violência

O Facebook não possui ferramentas de controlo parental na rede. Assim, as crianças têm acesso a quaisquer conteúdos que possam ser publicados por outros utilizadores, o que pode significar acesso a conteúdos abusivos. E isto não quer dizer apenas pornografia. Fotos, textos, grupos de discussão e vídeos violentos circulam pela rede social, bem como publicidades desadequadas.

É possível denunciar este tipo de conteúdos inadequados na rede social. Porém, a ferramenta não garante que o website fique livre de imagens e textos abusivos que se reproduzem e renovam todos os dias pelas mãos dos próprios utilizadores.

6) Links maliciosos, plugins e esquemas online

O número de links de phishing e plugins maliciosos no Facebook é grande. Geralmente, eles vêm acompanhados de imagens atrativas ou promoções que prometem vários prémios. Esta questão chama a atenção de utilizadores das mais variadas idades, principalmente crianças que procuram jogos online.

Ao acederem a estes links, as crianças podem acabar a divulgar os seus dados pessoais ou descarregar algum vírus para o dispositivo que estão a utilizar.

7) Conteúdos pagos

Os jogos são um dos maiores atrativos para as crianças no Facebook. No entanto, estes jogos podem conter conteúdos que requerem um pagamento através de cartão de crédito. Através do uso do cartão dos pais, mesmo quando autorizado, a criança pode disponibilizar dados indevidos, ser vítima de golpes bancários ou realizar compras acima do limite colocado pelo responsável pelo cartão.

Proteja os seus filhos! Navegue em Segurança!

Caso tenha alguma dúvida contacte-nos através de internetsegura@fct.pt.

logo_internet_segura