Atualidade

23 de Fevereiro de 2014

Um blogue para saber mais que os pais

 

483245

Quantos adultos sabem o que é ter uredo na sura? À procura de palavras difíceis, as crianças divertem-se no blogue Sabe Mais K os Teus Pais. E não as esquecem.

Resolver palavras cruzadas a partir de histórias para crianças é o que se faz no blogue Sabe Mais K os Teus Pais. E muito se aprende em busca de “palavras ‘escanifobéticas’ esquecidas nos dicionários”. A ideia não é concorrer com os pais, mas sim conviver, ler e escrever. Em família.

O blogue nasceu da colaboração entre um autor de palavras cruzadas, Paulo Freixinho, uma escritora de livros para crianças e também contadora de histórias, Sílvia Alves, e uma ilustradora, Maria del Toro.

“Uma vez à mesa, na brincadeira com as minhas filhas, disse: ‘Tenho uredo na sura.’ Elas riram à brava, mas não sabiam de que é que eu estava a falar”, conta o colaborador do PÚBLICO, Diário de Notícias, Caras, A Voz de Trás-os-Montes, Selecções Reader’s Digest, Point24 (Luxemburgo), Portugal Post (Alemanha), entre outros órgãos de informação.

Depois de algum suspense e animação, Paulo Freixinho lá explicou às meninas que tinha, tão-só, “comichão [uredo] na barriga da perna [sura]”. E a verdade é que “elas nunca mais se esqueceram daquelas palavras”.

A partir daí, pensou em criar “um projecto para miúdos com palavras mesmo muito difíceis, que nem os pais conhecem, pelo menos a maior parte deles”.

Os “ingredientes” do blogue são assim descritos por Sílvia Alves, numa mensagem que nos fez chegar via email: “Seis palavras sugeridas por escritores e não só; seis passatempos onde essas palavras aparecem e, também, livros e escritores que as sugeriram. Dois residentes: uma Bruxinha e um Gato. Três colaboradores: Paulo Freixinho, Maria del Toro e Sílvia Alves. Alguns visitantes: Alice Vieira, António Mota, Joana Rita Sousa, José Fanha, Lurdes Breda, Maria de Lourdes Soares, Afonso Cruz…”

O sudoku e a literatura
Tudo começou “quando os jornais foram invadidos por sudoku”, recorda a colaboradora. “O Paulo, em vez de desistir, agarrou as palavras e desatou a ler livros e a fazer palavras cruzadas com literatura. E criou um blogue. Depois, veio a ideia de outro para miúdos”, conta a autora de A Fábrica do Tempo (Livros Horizonte), que durante 12 anos (até 2011) assinou a secção A Bruxinha, no jornal de Leiria. Foi nessa qualidade que recebeu o convite para “escrever histórias” e iniciou a parceria com Paulo Freixinho.

Há mais de 20 anos a conceber palavras cruzadas, Freixinho publicou em 2011 o livro Palavras Cruzadas com Literatura (Quetzal). São passatempos sobre 13 autores de língua portuguesa. “Enquanto eu cá andar, as palavras cruzadas vão continuar a ter futuro”, diz, assertivo, ao Life&Style.

No Sabe Mais K os Teus Pais, as palavras em desuso começaram por ser escolhidas apenas por ele, mas, “passado uns tempos”, a equipa começou “a convidar escritores que sugerissem palavras difíceis que gostassem que os miúdos aprendessem”. E os autores que aceitam participar tanto podem escolher vocábulos de livros seus já escritos, como indicar “palavras à toa”. Mais recentemente, também foi criada uma parceria ligada à Filosofia para Crianças, com a colaboração de Joana Rita Sousa.

Perguntar ao irmão, ao pai, à avó
Paulo Freixinho sublinha que o Sabe Mais… “é um passatempo familiar”. E explica: “As palavras cruzadas prestam-se ao convívio. Embora tenham uma faceta individual, não isolam as pessoas. Há sempre dúvidas. As crianças podem perguntar a um irmão, a um pai, a uma avó.” E a sua própria génese aconteceu em contexto familiar.

Criado em Setembro de 2011, tem registadas perto de 30 mil visualizações. No último mês contabilizou 2035 visitas, o que indica que está a subir na popularidade, tendo 1800 seguidores no Facebook. Já foram publicados mais de 100 passatempos, isto é, deram-se a conhecer “mais de 100 palavras ‘escanifobéticas’”. E, prossegue Paulo Freixinho, começa a ser bastante utilizado nas escolas: “Têm-nos surgido convites para falar do Sabe Mais… e dos seus passatempos com os alunos. Ficamos muito contentes.”

O autor, cujo blogue de carácter geral atingiu um milhão de visualizações (em seis anos), aproveita “o tempo de antena” para dizer aos pais e educadores: “Ponham os miúdos a fazer palavras cruzadas. Faz-lhes bem e eles normalmente gostam. As palavras cruzadas fizeram 100 anos no ano passado. Mesmo que possam pensar que é um passatempo muito antiquado, não é.”

Em papel e em digital
Os próximos passos do Sabe Mais… vão no sentido da edição de um livro para os miúdos e na possibilidade de se resolverem os desafios online, sem necessidade de impressão. Mas Paulo Freixinho não gosta dos programas que o permitem. “Obrigam a instalar o Java, o que não é bom para os blogues, e não me agrada o aspecto daquilo.”

No entanto, tem consciência de que essa mudança para o digital “tem de fazer parte dos planos”. Por isso, rende-se: “Tenho a noção de que cada vez menos se utilizam impressoras. Agora, é só tablets e nada está ligado à impressora.” E irá por aí.

“Tenho conseguido viver das palavras cruzadas, sim. Isto porque lá vou tendo umas ideias malucas”, conclui divertido. E também porque está muito habituado a “xurdir”. Traduzindo, a “fazer pela vida”.

Fonte: Público