Espaço Família | Como Cresceram

Psicologia

1 de Junho de 2016

Tenho em casa um adolescente com as emoções à flor da pele!

adolescente flor da pele

Quantas vezes o seu filho adolescente fica extremamente irritado por quase nada? Ou quantas vezes se sente em baixo de repente sem saber porquê?

Porque é tão comum esta montanha russa emocional nos adolescentes?

Ser adolescente envolve lidar com a identidade e auto-imagem em mudança, com a preocupação em ser aceite pelo grupo social, com mais responsabilidades, com maior exigência escolar, com sentimentos ambíguos de necessidade de autonomia e tomada das suas decisões ao mesmo tempo que ainda estão dependentes do apoio da família. A adolescência pode ser um período de grandes descobertas e diversão para o seu filho, porém também poderá ser confuso passar de criança a adolescente, e saber lidar com tantas emoções à flor da pele.

Outra causa para as mudanças de humor repentinas é a biologia. Com a puberdade, o corpo produz hormonas sexuais (estrogénio e progesterona nas raparigas e testosterona nos rapazes), que causam mudanças físicas no corpo, e também alterações emocionais.

Outro fator que também contribui para maior irritabilidade é a privação de sono. É comum os adolescentes ficarem acordados até tarde envolvidos em atividades com meios tecnológicos, o que prejudica o sono e o descanso durante a noite, para além de influenciar o estado de humor, a concentração e energia no dia seguinte.

A par destes altos e baixos, a tendência para o afastamento e menor comunicação e tempo em família em nada ajudam os pais a lidarem com os desafios próprios desta faixa etária. Em alguns casos, as interações com o adolescente passam a resumir-se a discussões com acusações e cobranças. O que por sua vez, influenciará a forma como o jovem lida com os conflitos e regula as suas emoções.

Num momento mais tenso, é essencial que o adulto mantenha a calma e se lembre que em nada ajudará criticar o seu filho. Pelo contrário, dê-lhe tempo e espaço. Lembre-se que é comum esta instabilidade emocional na adolescência, pelo que para ele também não será fácil lidar com isso. É fulcral que tente ouvir o seu filho atentamente, sem o julgar, mostre compreensão, confiança, empatia e abertura à negociação com responsabilidades. São atitudes essenciais para que os laços familiares se mantenham fortes e que o seu filho continue a ver os pais como o seu porto seguro.

Incentive-o a praticar exercício físico regular (andar de bicicleta, fazer uma corrida), que é benéfico para controlar o stress e melhorar o humor, bem como em envolver-se em atividades que lhe permita organizar os seus pensamentos e emoções (respirar fundo, escrever num papel o que sente, desabafar com alguém em quem confie), e a envolver-se em atividades familiares.

Se está a ter dificuldades acrescidas na comunicação com o seu filho, se as alterações emocionais se prolongarem no tempo e interferirem negativamente nos vários contextos de vida do adolescente (escola, amigos, família), e se o seu filho faz mal a si próprio ou aos outros (verbal ou fisicamente) quando não consegue controlar as suas emoções, deverá procurar ajuda profissional.

logo-oficina-da-psicologia-horizontal

 

 

 

 

 

Raquel Carvalho

Psicóloga Clínica

Equipa Mindkiddo – Oficina de Psicologia