Espaço Família |

Cuidados a ter no Pré-Parto

20 de Maio de 2013

Rompi a bolsa de águas… e agora?

Oh, meus Deus!!! Acho que estou a perder líquido amniótico! Como é que eu sei que estou a entrar em trabalho de parto? Estamos de 39 semanas, esperava que tudo acontecesse pelo menos após as 40 semanas. Eu e o J. voltámos a folhear o manual do curso para relembrarmos o que falámos durante o curso de preparação para o parto, para termos a certeza que está mesmo na altura de irmos para a maternidade.

Relembrando o curso:
O trabalho de parto é diferente de mulher para mulher, e é impossível determinar exatamente quando começa. Não é um processo abrupto, são várias mudanças fisiológicas que acontecem ao mesmo tempo no corpo de uma mulher, pelo que é importante saber exactamente o que esperar no início do trabalho de parto para se determinar a altura certa para um casal se dirigir à maternidade. Esta é uma dúvida comum a todas as mulheres grávidas pela primeira vez: como é que eu sei que está na altura? A insegurança de perceber quando, realmente, já está na altura de ter o bebé é imensa, mesmo quando se faz um curso de preparação para o parto, mesmo quando um casal está informado!
O início de todo o processo poderá dar-se de duas formas diferentes: com a roptura da bolsa de águas ou com as contracções:
1.    A perda do rolhão mucoso: poderá ocorrer de várias formas: de um modo gradual ou abruptamente, assemelha-se a um muco gelatinoso, rosado ou acastanhado, e poderá ocorrer dias ou semanas antes do parto. Apenas nos indica que o processo se está a iniciar, uma vez que que a sua perda ocorre quando existe uma alteração estrutural do colo do útero, primeira alteração antes de ocorrer dilatação.
2.    As contrações de trabalho de parto: são aquelas que se iniciam geralmente com uma moinha na região supra-púbica, vão-se instalando na região lombar e, posteriormente, em todo o abdómen. São consideradas regulares quando se encontramm instaladas de 10 em 10 minutos, no entanto, quando a sua cadência acontece de 5 em 5 minutos, com duração de 1 minuto e prolongadas há mais de 1 hora pressupõem que já existe alguma dilatação associada, pelo que esta é a altura certa para um casal se dirigir à maternidade. Em oposição, as contracções de Braxton-Hicks, também chamadas de falso trabalho de parto, iniciam-se habitualmente entre as 30 e as 34 semanas de gravidez e têm por objetivo o encaixe do bebé na bacia e o treino da musculatura uterina, mas são descoordenadas e indolores. Geralmente aumentam em intensidade e frequência nas últimas semanas de gravidez, fase na qual podem ser intensificadas com as relações sexuais ou com esforços, mas não devem ser dolorosas.
3.    A rotura da bolsa de água: poderá acontecer sem contracções (roptura prematura de membranas), no entanto, o mais habitual é acontecer no decorrer do trabalho de parto. Esta saída de líquido amniótico, normalmente claro e transparente, pode acontecer progressivamente ou de forma abrupta, em grande ou pequena quantidade. É importante fazer-se a distinção da perda de urina, que poderá acontecer ocasionalmente no final da gravidez, o que poderá ser feito pelo cheiro, já que a coloração da urina poderá ser semelhante à do líquido amniótico- o cheiro do líquido amniótico é descrito por muitas mulheres como semelhante a desinfetante ou esperma.
O trabalho de parto é dividido em 3 etapas: a dilatação, que ocorre desde que se inicia o apagamento do colo do útero até os 10 cm de dilatação; a expulsão, que se inicia com a dilatação completa até à expulsão do bebé; e a dequitadura, que ocorre com a expulsão da placenta e das membranas fetais.
Outros sinais poderão incluir diarreia ou dores lombares, náuseas e vómitos. Os sinais de início de trabalho de parto variam de mulher para mulher, por isso é importante “ouvir o corpo” com atenção à medida que se vai aproximando da data provável do parto. Este deve ser um processo instintivo: as gerações anteriores às nossas, habituadas a ter os seus filhos em casa, sabiam exactamente quando se iniciava o processo, já que estavam habituadas a seguir os instintos!
E agora? Vamos relaxar… está a chegar finalmente o grande dia. Ansiedade, preocupação, mil cuidados. Tudo isso faz parte do dia-a-dia de uma grávida, principalmente quando a hora de conhecer seu pequeno se aproxima. Temos tudo preparado com antecipação para este momento. Vamos confiar em nós como futuros pais, em mim como mulher com capacidades para ter um bebé e nos profissionais de saúde que nos vão acompanhar!

cpp