Atualidade

1 de Março de 2015

QUE SE LIXE O VERNIZ por Isabel Saldanha

Hoje uma senhora pediu-me para não lhe apanhar as unhas na fotografia que lhe estava a tirar. Foi simples, foquei no rosto cansado e disparei.

Porra! Como eu percebo a dificuldade real de uma mulher em manter o geral impecável e ainda assim pedir que condescendam com a falta de tempo para o pormenor.
Sei bem o que é fazer todo o aquecimento no trânsito, nas escadas infindáveis, no corredor do balneário e começar a aula de ginástica a suar como se já fosse o fim. Sei bem o que é entrar no escritório às 9h00, dizer bom dia à malta, quando o bom dia real foi há duas horas atrás a batalhar para que as crianças chegassem à escola a tempo sem o reflexo imperfeito do nosso esforço. Conheço bem o olhar de clemência que a malta deita à esteticista e à cabeleireira quando chegamos uma hora atrasadas e já não há vaga para cuidarmos de nós. Sei bem o que é ter umvoucher para uma massagem e acabar a mostrar as costas a um médico.
Porque sei mesmo o que é ter dois minutos de unhas arranjadas, para os vinte que gastamos a arranjar, é que jamais focarei aquilo que uma mulher me peça para desfocar.

Porque a minha admiração e a minha nitidez irão sempre para a mulher que está à frente de mim.
Que se lixe a camada de verniz!

Fonte | Maria Capaz