Espaço Família | O nosso 1º Filho

Nutrição

18 de Fevereiro de 2016

Que quantidade de alimento devo dar ao meu bebé?

Esta é uma questão frequente no momento da introdução de sólidos (até porque as mães têm sempre imenso medo de que os bebés passem fome!), sendo por isso necessário esclarecer alguns mitos e fornecer estratégias práticas para que possam adequar a quantidade certa à qualidade dos alimentos!

Antes de passar à quantidade, deve ter em atenção alguns pontos prévios que estão relacionados:

  • Até aos 6 meses o bebé deverá ser amamentado (em horário livre – sempre que o bebé pretender);
  • Pelos 6 meses poderá introduzir alimentos ao bebé (vejam o post sobre como escolher alimentos saudáveis para o bebé http://barrigasdeamor.pt/como-escolher-alimentos-saudaveis-para-o-bebe/ ) de forma progressiva;
  • A introdução do primeiro alimento deve ser no período da manhã (meio da manhã ou alomoço) e sempre de forma isolada (só maçã ou só pêra…) e espere 3 a 4 dias para perceber se não fez reacção (na pele ou no trato gastro-intestinal);
  • Se o bebé reagiu bem ao alimento após este período de tempo, pode avançar com um novo e até misturar ambos (por exemplo: maçã e pêra).
  • Ao fim de 2 semanas, pode experimentar oferecer alimento já anteriormente introduzido na manhã, no período mais tarde (ao lanche, por exemplo);

Portanto nesta fase o bebé ainda está a fazer leite materno e os novos alimentos são um complemento com a introdução destes novos alimentos, portanto pode oferecer cerca de 1 a 2 colheres da papa ou sopa DEPOIS de amamentar. Caso o bebé queira mais pode dar mais, mas em geral eles vão ficar satisfeitos com esta “experiência gastronómica”.

DICA: Oferecer as frutas,se possível cortadas em pedaços grandes de forma a que o bebé consiga agarrar e levar à boca (BLW), explorando novas texturas. Saiba mais sobre este método aqui: http://www.bebesaudavel.com/2016/01/15/uma-nova-forma-de-oferecer-os-alimentos-baby-led-weaning/

Quando o bebé pedir mais vezes maminha ou parecer que quer mais colheres, pode aumentar gradualmente a quantidade de colheres e frequência das refeições.

Desta forma, gradualmente a quantidade de vezes que o bebé vai à mama e a duração das mamadas sofrem alterações. Na generalidade, numa fase inicial o bebé durante o dia vai espaçar as mamadas com as refeições e até pedir mais colheres (óptimo!), contudo à noite vai pedir mais vezes maminha (ou seja o padrão de sono pode alterar). Não quer dizer que tenha fome, pelo contrário! A maminha da mãe serve como nutrição e consolo… e o facto de durante o dia ter menos vezes este contacto pode manifestar-se à noite, pedindo maminha.

Todas as crianças são diferentes, portanto não poderá existir uma “receita” igual para todos, por isso a evolução da quantidade de alimentos deve ser gradual e de acordo com o seu bebé (se ele pede mais dê mais uma ou duas colheres! Se ele não quer comer mais, não insista! Não vale a pena forçar o bebé a comer). Os bebés conseguem autorregular-se de forma muito eficaz (quando uma criança tem fome, ela sabe expressá-lo. Basta ler os seus sinais – choro, reflexo de procura, colocar a mão na boca…), pelo que não tenha receio que o seu bebé passe fome.

SUGESTÃO: incluir o seu leite materno nas papas do bebé, aumenta o valor nutricional da comida, assegurando que ficam bem nutridos, mesmo que não comam a papa toda.

Aos 8 meses o bebé já será capaz de fazer uma refeição composta por sopa + prato (+ fruta – a qual pode optar também por dar fora das refeições, sendo até preferível dado que a ingestão de fruta isolada aumenta a absorção dos seus nutrientes). Pode fazer esta refeição completa ao almoço e/ou jantar a partir desta fase. Pelos 12 meses o bebé já deve fazer três refeições sólidas completas, mais um ou dois snacks conforme rotina do bebé e maminha quando ele e a mãe quiserem!

hhhhf

Nesta fase deve ter em conta que a quantidade de alimentos da criança não será igual a de um adulto, porque o estomago será mais pequeno (do tamanho do seu punho encerrado, e só deverá encher cerca de 80% da sua capacidade… é, portanto, pequeno!).  Logo, deve constituir o prato do bebé da seguinte forma:

Metade do prato: legumes/vegetais – equivalente a 40-60gr

E a outra metade deve ser divida:

à ¼ proteínas (carne/peixe/outros) – equivalente a cerca de 30gr (iniciar com porções de 10gr e aumentar progressivamente para os 30gr que equivale visualmente ao tamanho de uma noz)

à ¼ hidratos de carbono (batata-doce/ arroz/ quinoa/ outros) – equivalente a cerca de 30gr (iniciar com porções de 10gr e aumentar progressivamente para os 30gr que equivale visualmente ao tamanho de uma noz)

TOME NOTA: o momento da alimentação da criança deve ser introduzido como rotina familiar, pelo que deve supervisionar este momento com o bebé mesmo que ele já esteja a ficar mais autónomo. Desta forma, previne acidentes comuns que podem  ocorrem durante a alimentação (engasgamento ou quedas) e cria uma oportunidade de aprendizagem positiva para o bebé explorar novos sabores/texturas e criar hábitos alimentares saudáveis através do melhor exemplo possível… a família!

Bom apetite!

*Um artigo exclusivo Barrigas de Amor®

image

 

 

 

Enf. Carmen Ferreira  

Picture1

 

 

 

 

 

Uma sugestão barrigas de amor logo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

TOME NOTA: o momento da alimentação da criança deve ser introduzido como rotina familiar, pelo que deve supervisionar este momento com o bebé mesmo que ele já esteja a ficar mais autónomo. Desta forma, previne acidentes comuns que podem ocorrem durante a alimentação (engasgamento ou quedas) e cria uma oportunidade de aprendizagem positiva para o bebé explorar novos sabores/texturas e criar hábitos alimentares saudáveis através do melhor exemplo possível… a família!

 

Bom apetite!