Mães e Pais na 1ª Pessoa

Inês Simões 

Eu, Mãe

Primeiras compras e o que eu já aprendi…

Quando eu estava grávida do Pedro, era a rábula do “fui comprar umas coisinhas para mim, acabei por trazer apenas roupa para ele”…
Agora a rábula já me tirou completamente da equação, esqueçam-me!
Agora vou comprar roupas para o Pedro – que está muito precisado de uma mistura deprimente de calças de treino ou pelo menos com elástico na cintura (jardineiras, calções com peito, e calças de gente são as maiores inimigas de um desfralde bem sucedido, infelizmente), cuecas, calções e t-shirts – e acabo por comprar roupinhas amorosas para o Miguel. Clássico!
Tenho de fazer o inventário das roupinhas que vão passar para o Miguel, a ver se caio em mim e vejo que não precisa de quase nada, mas na verdade apenas tenho comprado peças de fora e das quais verdadeiramente goste, não estou em pânico de “ele não tem nada para vestir!!” Ele tem, sobretudo básicos, posso dedicar-me mais aos miminhos…
E a experiência de ter outro rapaz está a ser tudo o que esperava neste departamento do armário, uma maravilha!

Ele tem tudo! As peças que quero reforçar posso procurar com calma e sem partir do ponto zero.
O Pedro tem imensas roupinhas que estão como novas, vai ser lindo voltar a vesti-las a um filho meu.
E não há dúvidas ou segredos no departamento da roupa de bebés rapazes, pelo menos para bebés de Inverno, que são os meus. Eu sei bem o que eu não quero e o que procuro e só compro o que adoro, já não o faço por necessidade ou azelhice.
Ainda por cima como são da mesma altura, nem sequer tenho a questão de desfasamento de estacões, o timing é o mesmo. Assim é fácil…

1

E o que é, para mim, um babygrow querido? É o mesmo de sempre: nada de bonecadas, sempre cores suaves, materiais naturais e suaves, de preferência com golinha. Se tiverem uma gracinha, que seja com muita pinta!
Golas everywhere! Nada compõe mais uma carinha de bebé do que uma golinha. Babygrow com golinha, já ganhou, se não, body com golinha, idem! Não precisam ser muito grandes, gosto delas mais discretas, mas tem de haver uma moldura para o meu repolhinho. Gosto particularmente das golas lisas em bico.

2

O que vale para a roupa de casa, vale para as roupinhas em geral, não quero saber de bonecadas, nem padrões fortes, nem cores garridas, nem folclore! O Pedro foi um baby muito amoroso e este também vai ser. Privilegio o azul clarinho, as riscas suaves, os padrões pequenos. Dizeres, só se forem muito charmosos e “design” rsrsrsrs

Nos fatinhos, fofos e demais camadas de de fora: tudo tem de ter acesso directo- entrepernas com molas em tudo! A fralda do meu filho tem de ter sempre acesso directo sem que eu o tenha de despir. Melhor, só o dia em que se inventar molas que se abrem todas ao mesmo tempo num estalar de dedos! Isso é que era bom!

3

Não sou a maior fã de camisolas, prefiro sempre casacos. São mais fáceis de vestir e compõem mais, mostrando o fatinho se quisermos.
Nada de calças, faz-me impressão ver bebés com cinturas apertadas. Ou estão de babygrow, ou de fatinho completo, ou fofo. É que tenho sempre a sensação que a barriguinha apertada lhes pode causar desconforto, refluxo e cólicas… E nos primeiros meses, nem collants gosto de lhes vestir, mas tem de ser, e então assento-os bem baixos e por cima da fralda. Para mim, collants só com fofos ou quando têm mais de três meses, pelo menos. Eu gosto mesmo mesmo é daquelas calças com pés e de faixa larga na cintura. Vou reforçar o meu stock delas, sem dúvida!

4

De facto, para mim, não gosto nada de roupa de menino/adulto em bebés. Não quero saber de calças (muito menos de ganga), camisas à pai, ténis, ou outras roupas estilo adulto em bebés. Além de não achar bonito, vejo-os sempre tão descompostos, tão desconfortáveis, as camisas saem por todos os lados, as calças com dobras enormes, parece sempre que são engolidos pelas roupas…
Penso que há um tempo para tudo, e o tempo de serem bebes é para serem vestidos como bebés e estarem muito confortáveis, o que nesses cortes e modelos, a meu ver não estão.  Além de que a roupa de bebé é tão amorosa, e esse tempo é tão curto e passa tão rápido… Há uma vida inteira para vestí-los como adultos, é aproveitar enquanto mais se parecem com anjinhos para os vestir como tal, mesmo que passem o dia todo a gritar a plenos pulmões rsrsrsrsrsrsr

Por fim, como os meus bebés são de Inverno, não volto a cair no mesmo erro da roupinha de verão que “ainda há-de servir”… Não vai. Ele já vai usar tudo – body, camisa, casacos – de manga comprida e tecidos quentinhos. Não vale a pena procurar grande coisa nas colecções actuais. É tudo demasiado fresco.
Tenho sim, encontrado verdadeiros achados nos nichos de colecções de Inverno anteriores… Essas sim vale a pena remexer bem!
E nos saldos logo compro uns mimos para o próximo verão dos manos, sem pressas para usar agora…

Para já, o que me está a dar gozo comprar são pecinhas de fora: fofos, fatinhos, casacos, golas. Mas sem exageros, senão lá fica metade da roupa por usar (again!!). Ainda por cima, sendo bebé de Inverno e quando são muito pequeninos, passam 90% do tempo em babygrow e eu gosto, porque é o mais confortável. Não vejo qualquer utilidade ou prazer em vestir um bebé pequenino para estar em casa a dormir e comer. Por mim, não havendo visitas ou saídas, babygrow é uniforme! Por isso, se eu encontro um babygrow querido, é meu!

Blog As Maravilhas da Maternidade