Espaço Família | Somos Avós

Psicologia

5 de Novembro de 2014

Os avós, os netos e os pais

avós

Muito tem sido escrito sobre o papel dos avós junto dos netos. Já nos habituamos a ouvir frases como, “os avós deseducam os netos”. No entanto, podem não ter sustentabilidade, se a responsabilidade principal em assumir um modelo educativo que influencie de forma sustentada os comportamentos e atitudes dos filhos, pertencer aos pais, assim como os valores e princípios que considerem importantes para a família, cumprindo aos avós o suporte no modelo eleito, em tudo o que isso implica, nomeadamente no cumprimento das regras e limites impostas pelos pais. Nesta ultima dimensão, imposição de regras e limites, podemos ainda refletir o quanto se verifica ser difícil para os pais resistirem aos pedidos ou pequenas “chantagens” dos filhos, pelo que aos avós esta tarefa poderá revelar-se ainda mais difícil. Muitos pais foram já confrontados com situações difíceis de gerir na relação entre os avós-netos-pais: os avós terem dado guloseimas que os pais não autorizaram, horas de televisão e de consola superiores ao combinado, prendas que os pais consideram em excesso, entre outras…

Mas afinal o que torna o papel dos avós e dos pais tão confuso em certas situações?

De facto, parece-nos claro que os pais ocupam o papel principal, parecendo ser simples que os avós apenas continuem com o estipulado. Não obstante, verifica-se que fatores como a disponibilidade de tempo por parte destes últimos, ou o facto de não terem a principal responsabilidade, se revelam facilitadores para o estabelecimento de uma relação mais tolerante, de compromisso mais relacional, de “mimo”, e de aprendizagens diferenciadas, como a construção de narrativas baseadas nas experiências vivenciadas, permitindo até que sejam os receptores privilegiados de alegrias e/ou angústias experienciadas pelos netos. Se os pais e avós conseguirem perceber a sua importância, o lugar que ocupam, respeitando-se mutuamente, podem minimizar muitos desentendimentos, que por vezes são provocados por distorção dos papéis, promovendo um desenvolvimento mais ajustado aos filhos/netos, mais rico de afectos, de histórias, fortalecendo os laços familiares.

Fomentar saídas entre avós e netos, pedir ajuda aos avós para tarefas que sejam complementares às dos pais na educação das crianças, são enriquecedoras para toda a família. Afinal de contas, os avós são 2 Mindkiddo –Oficina de Psicologia, Lda | Rua Pinheiro Chagas, nº 48, 4º andar, 1050-179 Lisboa www.oficinadepsicologia.com | contacto@oficinadepsicologia.com | 210 999 870

um dos tesouros da família, desempenhando um papel indispensável para o bem estar emocional de todos lá em casa.

logo3

Maria João Matos

Psicóloga Clínica

Oficina de Psicologia

Licenciatura em Psicologia pelo Instituto Superior da Maia

Diploma de Estudos Pós Graduados Psicologia do Desenvolvimento Universidade Coimbra

Ano 1 e 2 da Especialização em Terapia Familiar pela Sociedade Portuguesa de Terapia Familiar – núcleo de Coimbra.