Espaço Família | O nosso 1º Filho

Saúde

23 de Fevereiro de 2015

Obesidade Infantil

Em Portugal, uma em cada três crianças tem problemas de excesso de peso. Segundo um estudo, elaborado em 2013-2014, 33,3% das crianças entre os 2 e os 12 anos têm excesso de peso, das quais 16,8% são obesas. De acordo com a Comissão Europeia, Portugal está entre os países da europa com maior número de crianças afetadas por esta “epidemia”.

A obesidade pode definir-se como o aumento do depósito de gordura corporal, na sequencia do desequilíbrio entre o excesso de ingestão de alimentos e o seu gasto energético (ou seja, comem mais do que “gastam” nas atividades). Isto é o resultado de novos hábitos alimentares e do aumento do sedentarismo (diminuição das brincadeiras ao ar livre). A obesidade é a expressão máxima do excesso de peso.

Novos Hábitos Alimentares :

Cerca de 90% das crianças portuguesas consome fast-food, doces e bebe refrigerantes, pelo menos quatro vezes por semana. Menos de 1% das crianças bebe água todos os dias (habitualmente sumos artificiais ou refrigerantes) e só 2% ingere fruta fresca diariamente. Quase 60% das crianças vão para a escola de carro e apenas 40% participam em atividades extracurriculares que envolvam atividade física. Estes números são, absolutamente, assustadores…!!!

Desenvolvimento de Problemas de Saúde :

A obesidade infantil está associada ao desenvolvimento precoce de problemas de saúde na criança e no adolescente. Têm maior probabilidade de desenvolver doenças cardiovasculares, hipertensão, diabetes, asma, apneia do sono e vários tipos de cancro. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a obesidade é a segunda principal causa de morte no mundo que se pode prevenir, a seguir ao tabaco.

Desenvolvimento de Problemas Psicológicos :

Estão mais sujeitas a bullying e outros tipos de discriminação (não são escolhidos para as equipas de desporto, não são tão valorizados, como os outros). Estes problemas têm consequências desastrosas na autoestima e no rendimento escolar. O risco de depressão ou outras doenças do foro psicológico é enorme, com repercussão para toda a vida.

O Que Se Deve Fazer no sentido da Prevenção?

— Só em situações muito excecionais é que o excesso de peso não está dependente do tipo de alimentação e dos hábitos das pessoas (ou seja, é quase sempre, devido a uma má alimentação).

— É comum ver-se famílias com vários obesos. Não será, seguramente, só por fatores genéticos. Essencialmente, prende-se com os hábitos destas famílias.

— Nas crianças destas famílias está aumentado o risco do excesso de peso e obesidade e deve haver uma intervenção precoce para a sua prevenção.

— A escola tem também um papel muito importante não só na educação para os estilos de vida saudável como também retirando dos seus bares e cantinas alimentos que não devem fazer parte da dieta de crianças e adolescentes (batatas fritas de pacotes, alimentos fritos e com gordura, etc).

Assim sendo :

— Abolir os sumos artificiais ou refrigerantes às refeições (a bebida para toda a família é água…!).

— Promover a sopa, sempre, ao jantar (mesmo que em pouca quantidade), e a fruta como sobremesa.

— Evitar as gorduras e fritos, assim como os doces (açucares de absorção rápida) nos lanches para a escola (folhados, croissants, pães de leite, bolos de pastelaria).

— Mandar para a escola, pão de padaria (não artificial!), fruta fresca (maça, pera, ou outra descascada e aos quadradinhos numa caixa plástica, do tipo melão, manga, papaia, uvas, pêssegos, etc), iogurtes líquidos, assim como, sempre uma garrafa de água.

— Os excessos (doces, alimentos com gordura) são para ser cometidos excecionalmente (nos aniversários, nas festas).

— Promover o exercício físico, nas atividades extraescolares (tentar que a criança frequente pelo menos uma atividade 2 vezes por semana, durante a semana).

— Ao fim-de-semana a família deve fazer um esforço para escolher programas em que o exercício esteja presente, nem que seja uma caminhada.

Perante isto, é um dever dos pediatras identificar os erros, ensinar, aconselhar, enviar para Nutricionista, sempre que se justifique, e ainda, esclarecer sobre os múltiplos riscos desta “doença”…

1

Dra. Paula Vara Luiz

Pediatra | O Blog da Tia Paula 

É Diretora clínica da Clínica Paula Vara Luiz, serviços médicos, situada na Travessa do Forno 7-B 2050-114 Aveiras de Cima. É Médica especialista em pediatriaTrabalhou na Maternidade Alfredo da Costa, no Hospital de Santa Maria, Hospital de Santa Marta, Hospital de Dona Estefânia, Hospital da Horta (Açores), no Hospital de Vila Franca de Xira e Centro Hospitalar do Oeste (Torres Vedras). Anteriormente foi responsável pela Rubrica de Pediatria, semanalmente, da Rádio Lezíria, em Vila Franca de Xira. É autora de artigos para a Revista ÚNICA do Jornal Expresso. Atualmente exerce só medicina privada. Possui um vasto curriculum, com vários prémios nacionais e internacionais, assim como distinções. Encontra-se já com uma longa carreira, o que lhe permite uma grande experiência na prática clínica aliada ao seu “senso clínico”, tornando-a uma pediatra de excelência nos nossos dias.