Atualidade

5 de Junho de 2014

Obesidade infantil a estabilizar em Portugal

Apesar da obesidade nas crianças portuguesas se encontrar acima da média europeia, a tendência é de uma progressiva estabilização do problema, admitiu Pedro Graça, da Plataforma Nacional contra a Obesidade (PNO) em declarações à agência “Lusa”.

De acordo com um estudo publicado na revista “The Lancet”, Portugal é o terceiro país da europa ocidental com maior percentagem de raparigas obesas e com excesso de peso, problema que afeta 27,1% das jovens portuguesas.

“Os dados são interessantes no sentido em que continuamos a ter uma prevalência de obesidade nas nossas crianças acima da média europeia, à semelhança de outros países do mediterrâneo, mas a tendência é de uma progressiva estabilização. Estes países estão a regredir e a crescer menos, o que é bom e nos dá esperança no futuro, apesar dos valores altos”, referiu o especialista.

Pedro Graça explicou ainda que o país vai “continuar a ter problemas”, apesar de um estudo recente da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre a evolução da obesidade nas crianças em idade escolar em Portugal revelar uma estabilização dos valores desde há três, quatro anos.

O responsável referiu que há uma tendência de inversão dos dados relativos à Europa, já que os países do norte que tinham valores mais baixos de obesidade “estão a aumentar”.

“A Europa tem um problema grave no que diz respeito à obesidade das suas crianças, mas o que está a acontecer é uma normalização em todos os países, aqueles que tinham prevalências mais baixas estão a aumentar e aqueles, como Portugal, onde eram mais altas as taxas, estão a estabilizar”, sublinhou.

Fonte | Pais&Filhos