Atualidade

15 de Maio de 2014

O que mudou na família em 50 anos?

Famílias mais pequenas, mais uniões de facto e mais pessoas a viverem sós. Saiba como se caracterizam as famílias de hoje.

Em 1960, 91% dos casamentos realizavam-se pela Igreja Católica, a mulher era responsável pelo governo da casa e devia obediência ao marido. E só 18% das mulheres entre os 15 e os 65 anos estavam inseridas no mercado de trabalho. A sociedade e as famílias portuguesas mudaram muito em mais de cinquenta anos.

De acordo com os dados publicados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), a família mudou em quase todos os aspectos.

A dimensão média das famílias, por exemplo, reduziu-se drasticamente. Se em 1960, 17,1% das famílias eram constituídas por mais de cinco pessoas, em 2011 esse segmento era de apenas 2%. Por outro lado, aumentou o número de pessoas que vivem sozinhas: em 1960 as famílias unipessoais representam 11,5% do total, e em 2011 o valor é já de 21,4%, sendo que o número de mulheres que vivem sozinhas é superior (62,9%) ao dos homens.

A maior parte dos casamentos deixou de realizar-se catolicamente e desde 1991 verificou-se um aumento dos casais em união de facto. O valor quase quadruplicou, passando de 3,9%, para os 13,3%. Neste âmbito, aumentaram tantos os casais em união de facto com filhos como os que não têm filhos.

De acordo com o INE, o núcleo de cassais reconstituídos ou recompostos (com, pelo menos, um filho não comum) representavam 6,6% dos casais com filhos, enquanto dez anos antes o seu peso era de 2,7%. Nestes casos, é mais comum os filhos não comuns serem apenas filhos da mulher.

As famílias monoparentais também aumentaram: 14,9% das famílias eram monoparentais, um aumento de 5,7 pontos percentuais face a 1991. Em 87% dos casos é a mãe que vive com os filhos.

Fonte | Económico