Espaço Família | O nosso 1º Filho

Psicologia Clinica

17 de Junho de 2013

O Equilíbrio Entre a Relação de Casal e a Relação Parental

relacao_parental

Hoje foi a primeira vez que saímos juntos sem a M. Os meus ofereceram-se para ficar um bocadinho com a M para fazermos umas compras. Apesar da constante preocupação, soube-nos tão bem aqueles 30 minutos… deixamos as compras e aproveitamos para passear!

Quando um bebé chega, tudo à sua volta se centra nele.
Vimos isso na rua, nas lojas, em todo o sítio onde chega um bebé. As nossas casas não são exceção. É impressionante como um ser tão pequenino pode preencher tanto as nossas vidas.
No entanto, antes de nascerem uns pais, havia um casal que continua a existir e deve fazê-lo enquanto casal também. É fácil nos primeiros tempos com todas as novas rotinas, com todas a novidade que traz a parentalidade, este casal passar o papel de casal para segundo plano para estrear e deixar passar este novo papel de pais. Com o ganhar das rotinas, com o passar dos primeiros tempos é muito importante não o deixar aí.
O casal precisa de tempo para estar juntos. Todos sabemos. Também todos sabemos que tempo não é coisa que se tenha nos dias que correm, mais ainda quando se acabou de ter um bebé. Então como fazê-lo? Como arranjar esse tempo e fazer o quê com ele?
O ideal é que haja alguém (avós, tios, amigos…) de confiança que fique um pouco com o bebé para que o casal possa fazer algo juntos e fora de casa, com alguma frequência. Pode ser ir beber um café, ir ao cinema, almoçar fora ou passear um pouco juntos. Qualquer coisa que os dois gostem de fazer juntos.
Mas mesmo que haja alguém para ficar com o bebé um pouco, dificilmente será com a frequência que gostaríamos, e não se pode adiar a relação de casal para quando houver disponibilidade. Então como fazer para equilibrar estas duas realidades? Há que aproveitar o tempo que existe, para além daquele em que possam estar juntos e fora de casa sem o bebé, para estar um com o outro. Quando se prepara o jantar, quando o bebé está a dormir, no carro, a caminho do supermercado ou do pediatra, enfim, aproveitar o tempo que aparece e em que estão os dois para estar um com o outro, para falarem dos assuntos um do outro, para saberem como está o outro a passar por tudo isto.
É central que aproveitem todos os momentinhos para se aliarem e apoiarem mutuamente podendo fazer desta experiência da parentalidade uma vivência comum que os une e fortalece enquanto casal.

Dra. Patrícia Saramago

(Psicóloga Clínica e Psicoterapeuta)
patricia.saramago@gmail.com
cefipsi_logo