Espaço Família | O nosso 1º Filho

Psicologia Clinica

3 de Outubro de 2015

Não quero comer! As crianças e a Recusa em comer

recusa em comer

“Não quero comer”, “esta comida não presta”, quantas vezes não ouvimos frases destas à mesa, por parte dos mais pequenos? Por vezes, a hora das refeições das crianças é um autêntico desafio para os pais! Com frequência as crianças “embirram” com a comida num determinado momento das suas vidas. Contudo, existe um aspeto central que representa o grande segredo para combater as resistências em comer: a postura dos pais face às mesmas. Curioso não é? Contudo, grande parte das vezes, a permanência destas resistências ao longo do tempo é muitas vezes mantida pela postura dos pais. Senão vejamos… Pense nas suas principais prioridades enquanto mãe/pai: ao pensar nelas, com certeza a saúde dos seus filhos vem no topo da lista, certo? Diretamente associada à saúde infantil está precisamente… a alimentação. Perante esta prioridade, não admira que resistências em comer representem uma grande preocupação para os pais. Acontece que não é muito difícil para os mais pequenos perceberem a importância que a alimentação deles representa para os pais e são extremamente hábeis em usar isso a seu favor. Por esta razão, antes de mais é essencial estar atento/a à sua postura e atitude face a estas resistências: procure não mostrar sinais de nervosismo, tensão ou inquietação na presença da criança quando esta resiste em comer. Demonstre segurança e calma na sua postura face às resistências da criança.

Paralelamente a esta atitude é importante ter em consideração algumas dicas que poderão tornar as horas das refeições mais pacíficas:

  • Coloque um fim ao petiscar a toda a hora: ao fazê-lo, impede que as crianças aprendam a ouvir o seu corpo. Limite o acesso a comida a 5 vezes por dia, com intervalos regulares;
  • Estabeleça limites temporais para as refeições: para evitar dispersões, estipule um período de tempo que considere necessário para o seu filho terminar a refeição;
  • Sirva porções pequenas: coloque no prato a quantidade equivalente às reais necessidades e apetite do seu filho. Se a criança tiver demasiada comida no prato para o apetite que tem, muito provavelmente irá fazer resistências a comer e fartar-se com facilidade;
  • Ignore as críticas à comida: ignore o “está cru”, “tem nervo”, “sabe mal”, etc. Muitas vezes, as criticas à comida e as brincadeiras à mesa são formas de chamar à atenção, por isso devem ser ignorados para que a criança deixe de as fazer;
  • Evite ceder a pedidos de comida, pouco tempo após a refeição: quando a criança não comer convenientemente às refeições, não ceda aos pedidos de bolachas após 1 hora da refeição. É importante explicar à criança que não irá poder comer outra coisa em substituição da refeição, caso não coma o que tem no seu prato. Ceder neste tipo de situações é comum, pois a preocupação última dos pais é que os seus filhos se alimentem. Contudo, lembre-se que ao não ceder não está a colocar em causa a saúde do seu filho e que a cedência só irá manter as resistências à mesa.
  • Envolva a criança nas actividades relacionadas com a comida: peça a sua ajuda para lhe dar o sal, para colocar a salada na mesa, para guardar o azeite, etc. Sempre que for oportuno, poderão ainda em conjunto criar pratos originais, como aproveitar a sobremesa para construir uma cara com pequenos pedaços da fruta que vai utilizar, por exemplo. Desta forma a criança sentir-se á mais envolvida com a comida, o que proporcionará maior disponibilidade e motivação para saborear a refeição.
  • Elogie e recompense quando a criança come bem e tem boas maneiras à mesa: é muito importante reforçar os comportamentos positivos à mesa, para que a criança se sinta valorizada e repita o comportamento no futuro.

 

Lembre-se: as resistências e as famosas guerras com os legumes são normais na infância. Tudo o que é preciso é uma boa dose de paciência, aliada a algumas regras e uma boa dose de criatividade, para tornar a hora das refeições mais estimulante e atractiva para as crianças.

 

 

Sandra Azevedo

Psicóloga Clínica

Equipa Mindkiddo

logo oficina da psicologia horizontal

Sem Título


* Artigo exclusivo para Barrigas de Amor®

 

 

 

 

Uma sugestão:

BA horiz