Espaço Família | O nosso 1º Filho

Cuidados Pós- Parto

20 de Maio de 2013

Não posso comer laranjas porque estou a amamentar

O nosso bebé está com 10 dias. De uma forma geral, tudo tem corrido bem! O Miguel é um bebé calmo, praticamente mama e dorme o dia todo. A noite só acorda duas vezes. Pensamos muitas vezes que poderia ser pior…Na realidade, apenas a primeira semana foi a mais complicada. Acho que o que atrapalhou mais foram as visitas! Cada uma das visitas que me via a comer, dava sempre uma série conselhos sobre o que comer e o que não deveria comer, porque o leite ficava com sabor, ou o bebé iria ficar com cólicas. Quando dava conta, as restrições eram tantas que ficava restringida a meia dúzia de alimentos, e praticamente não poderia comer nada! No entanto, a alimentação e a amamentação não têm que ser incompatíveis!

Durante a gravidez é normal ter-se muito cuidado com o que se come, evitando alguns alimentos e ingerindo cuidadosamente outros. Quando se amamenta este cuidado deve prevalecer; só porque já nasceu o bebé não significa que se pode começar a abusar. No entanto, a maioria das restrições que se ouvem falar na alimentação e amamentação são mitos.
Os cuidados a ter com a alimentação quando se amamenta são exactamente os mesmos durante a gravidez, com algumas excepções. Uma mãe que amamenta deve sempre pensar nas suas necessidades e nas necessidades do seu bebé, pois tudo o que ingere será também ingerido pelo bebé através do leite que é produzido por si.
Não existem alimentos proibidos para a mulher durante o período da amamentação, embora saibamos que alguns bebés podem reagir de forma diferente a sabores diferentes, sobretudo se esses alimentos não foram consumidos durante a gravidez. No entanto, em cada cultura ou país existem restrições diferentes sobre os vários alimentos que podem causar transtornos no bebé, como gases, choro, irritação, ou recusa ao leite. É impossível saber previamente quais os bebés que irão reagir e a que alimentos. O método de “tentativa e erro” pode ser o melhor guia para a mãe a amamentar, uma vez que estas reacções variam muito de bebé para bebé.
Por outro lado, a fase da amamentação não é a ocasião certa para fazer dietas para se perder o peso ganho durante a gravidez, o mais importante na alimentação da mãe é qualidade da alimentação, mais do que a quantidade do que se ingere.
Quando se amamenta são recomendados alguns alimentos dados como incompatíveis com a amamentação:
•    Vegetais como brócolos, couve-flor, abóbora, pimentos e feijão.
•    Fruta como laranjas, melão, maçãs, mirtilos, pêssegos e ameixas.
•    Cereais integrais como arroz integral, trigo integral e pão de centeio.
•    Proteína e gordura, são importantes e devem ser oriundas especialmente de óleos vegetais; estas adições de gordura à alimentação são boas para ajudar a criar um leite materno melhor.
Quando o bebé mostra sinais de desconforto como diarreias, diminuição dos tempos de sono, ou cólicas, poderão existir alimentos responsáveis na alimentação da mãe como:
•    produtos ricos em cafeína como chocolate, colas, chá preto;
•    leite de vaca;
•    trigo e nozes;
•    sumo de citrinos em excesso;
Em oposição, um bebé que não tem leite suficiente para se alimentar, dará sinais de fome com mais frequência, fará pausas entre mamadas inferiores a 2 horas, o número de fraldas sujas irá diminuir, e haverá uma repercussão no seu peso, estes sinais não são habitualmente confundidos com as tradicionais cólicas.
A hidratação da mãe também é fundamental, uma mãe a amamentar deverá ingerir pelo menos de 3 litros de água por dia. Algumas restrições que se faziam durante a gravidez já não são necessárias fazerem-se durante a amamentação:
1.    Toxoplasmose: O risco do contágio de toxoplasmose na gravidez ocorre nas mães que nunca tiveram contato prévio com o parasita Toxoplasma Goondi, e que poderá ser feito através da ingestão de carnes mal cozinhadas e legumes e frutas mal lavadas; no entanto, após o nascimento do bebé, este contágio não poderá ser feito através do leite materno;
2.    Salmonelas: o contágio poderá ser feito através da ingestão de carnes e ovos mal cozinhados, lacticínios não pasteurizados, ou alimentos não cozinhados, no entanto, este contágio não se dá ao bebé através do leite materno;
3.    peixe rico em mercúrio (peixe-espada, ou qualquer peixe de grandes profundidades);
4.    Bebidas alcoólicas, se forem bebidos ocasionalmente devem ser consumidos imediatamente após o bebé mamar;
5.    Alimentos que provocam gases na mãe não provocam necessariamente gases no bebé (feijão, grão, favas, lentilhas, ervilhas, milho ou bebidas gaseificadas),
6.    Alimentos como os citrinos, morangos, kiwi, ananás ou marisco não causam necessariamente reacções alérgicas ou cólicas no bebé, apenas se forem consumidos em grandes quantidades;
No fundo, comer em qualidade, variedade e bem, é o factor mais importante para que o leite seja da melhor qualidade possível para o nosso bebé, desde que haja equilíbrio, sem excessos, não haverá restrições!

cpp