Atualidade

10 de Novembro de 2014

Mulheres são mais produtivas depois de serem mães

Ter um filho pode trazer preocupações acrescidas mas, a longo prazo, torna os pais mais produtivos no local de trabalho. Um efeito especialmente visível nas mulheres, diz um novo estudo.

Depois de uma análise a 30 anos de carreira de dez mil homens e mulheres, os investigadores do Banco de Reserva Federal do Missouri, nos Estados Unidos, concluíram que ter um ou mais filhos torna os pais melhores profissionais. As mães com, pelo menos, dois filhos, são as mais produtivas.

O objectivo era entender o impacto da maternidade em mulheres altamente qualificadas. Mas uma vez que a produtividade de um cirurgião, consultor ou gerente de projectos é difícil de quantificar, os investigadores escolheram analisar a quantidade de pesquisas publicadas por mais de dez mil académicos da área da Economia, de ambos os sexos.

Os resultados foram surpreendentes. Em relação aos homens, tanto os pais de apenas uma criança como os que não têm filhos, apresentaram um rendimento de trabalho equilibrado e semelhante durante a maior parte das suas carreiras. Já os homens com dois ou mais filhos foram mais produtivos que os dois grupos anteriores – ou seja, escreveram e publicaram mais pesquisas na sua área de trabalho.

No que toca às mulheres, o efeito foi mais acentuado. Os autores do estudo descobriram que nos primeiros cinco anos de carreira, as mulheres sem filhos tinham um desempenho inferior comparativamente às mulheres com, pelo menos, dois filhos.

Mas, salienta Christian Zimmermann, um dos investigadores responsáveis por este estudo, “é tudo uma questão de tempo”. Isto porque a produtividade dos pais foi mudando ao longo do tempo: quando as crianças eram muito pequenas, os pais eram menos produtivos (uma queda de 15 a 17% no rendimento habitual, logo a seguir ao nascimento do bebé) mas, à medida que os filhos foram crescendo, a produtividade aumentou, ultrapassando em larga escala os colegas com um ou sem filhos e compensando a queda nos primeiros anos da criança.

“Há um impacto quando as crianças são mais novas mas se considerarmos a carreira inteira de uma pessoa, então, em média, as pessoas com mais filhos trabalham mais”, resumiu Zimmermann ao Today.com.

Ainda assim, é importante ressalvar que o grupo analisado é muito restrito, uma fraqueza admitida pelos autores do estudo. São mulheres que “muito provavelmente” planearam a gravidez atempadamente e tiveram benefícios como licença de maternidade e tempo de doença paga, algo que não acontece em todos os locais de trabalho.

Mas, diz Zimmermann, a “boa notícia” é que com as condições certas, as futuras mães não têm de se preocupar em escolher filhos ou trabalho porque ter um ou mais filhos não vai prejudicar as suas carreiras, “antes pelo contrário”.

Fonte | Life&Style (Público)