Espaço Família |

Cuidados a ter no Pré-Parto

20 de Maio de 2013

Hoje apareceram-me estrias…

Estamos com 32 semanas! Tenho sentido cada vez com mais frequência contracções. A barriga fica muito, muito dura. Às vezes parece um turbilhão! O J. tem falado todos os dias para o bebé e parece que ele acalma! As noites têm sido mais difíceis! É difícil estar deitada e acordo com alguma frequência a sonhar! E para deixar ainda tudo melhor, às vezes tenho acessos de fúria e desato a arrumar tudo compulsivamente: lavo as roupas do bebé, mudo a disposição dos móveis do quarto do bebé e faço algumas limpezas. Claro que no final do dia fico com mais contracções! Ainda para deixar o cenário ainda melhor, hoje apareceram-me estrias!

O J. está sempre a dizer-me que não me posso cansar tanto, que esta é a altura em que preciso de descansar mais, mas nem sempre consigo! É mesmo importante deixar tudo preparado para quando o bebé nascer!
Os desconfortos mais comuns no 3º trimestre relacionam-se, sobretudo, com o aumento do volume da barriga, do aumento do peso e pelas alterações hormonais. No final deste trimestre o corpo começa a preparar-se para o parto. Os desconfortos mais comuns são:
1.    Dispneia (Sensação de “falta de ar”): ocorre devido ao gradual crescimento do bebé, que pressiona o diafragma, o que pode causar algumas dificuldades respiratórias e maior sensação de cansaço. Adoptar uma postura correcta correcta, dormir com mais almofadas de modo a fazer uma elevação do tórax, fraccionar as refeições, sobretudo à noite, de forma a evitar encher muito o estômago.
2.    Insónias: O cansaço e a ansiedade acumulam-se e aumentam progressivamente à medida que a data do parto se aproxima. Naturalmente, tudo isto afeta a qualidade do sono e a disposição. Pode ocorrer também devido ao aumento dos movimentos fetais neste período do dia. Uma massagem relaxante após um banho morno num ambiente relaxante com música suave poderá ajudar a relaxar.
3.    Contracções de Braxton-Hicks: são contracções irregulares e indolores, iniciam-se entre as 30 e as 34 semanas de gestação e têm por objetivo o encaixe do bebé na bacia e o treino da musculatura uterina, mas são descoordenadas e indolores. Geralmente aumentam em intensidade e frequência nas últimas semanas de gravidez, fase na qual podem ser intensificadas com as relações sexuais ou com esforços, mas não devem ser dolorosas. Se forem associadas a esforços, deve ser promovido o repouso e técnicas de relaxamento como másica, respiração, massagem e banho relaxante; Quando as contracções se tornam incómodas, é importante excluir as contracções de trabalho de parto;
4.    Edemas: a retenção de líquidos e o aumento progressivo do volume de sangue em circulação que ocorre no final da gravidez, leva a aumento dos edemas, sobretudo nos membros inferiores. É importante evitar longos períodos de pé ou sentada e utilizar calçado confortável e com uma pequena cunha; A elevação do plano inferior da cama permite a drenagem dos edemas durante a noite. A prática regular de atividades de pouco impacto como caminhadas permite a drenagem natural destes edemas.
5.    Aumento da frquência de micções ou incontinência urinária: A pressão que o bebé exerce sobre a bexiga pode levar ao aumento do número de micções e em algumas situações a situações de incontinência urinária Por esta altura, é importante a prática regular de exercícios de Kegel (estes exercícios ajudam a fortalecer a zona do períneo, estrutura muscular situada entre a vagina e o ânus com um papel fundamental no parto).
6.    Obstipação (“Prisão de ventre”): A prisão de ventre pode agravar-se durante este trimestre devido a crescente pressão exercida pelo útero sobre o estômago e intestino. Um aumento do consumo de alimentos ricos em fibras e pobre em gorduras e a fracção das refeições ao longo do dia ajuda a controlar este desconforto. A ingestão de 2 a 3 l de água facilita a digestão e o trânsito intestinal.
7.    Tensão mamária e produção de colostro: A partir das 28- 30 semanas poderá começar a haver produção de algum colostro, e haver tensão mamária, o que ocorre devido ao aumento da glândula mamária e às alterações hormonais decorrentes da preparação da mama para a produção de leite após o parto. O uso de soutiens confortáveis e bem adaptados à mama promovem o conforto da mama. Não deverá ser estimulada a produção de leite através da extracção do colostro.
8.    Varizes: As varizes, que podem ser anteriores à gravidez, podem agravar-se e aumentar o desconforto. É importante adoptar as estratégias para os edemas, já que estimulam a circulação sanguínea e facilita a drenagem de líquidos. A utilização de meias de descanso e de cinta permitem ajudar a suportar o peso do abdómen e a congestão do sangue nas pernas. Massagens dos memmbros inferiores do sentido dos pés- coxa permitem aliviar a dor, drenar a acomulação de líquidos e relaxa.
9.    Cãimbras: As cãimbras dos membros inferiores devem-se à compressão dos nervos por aumento do útero, à fadiga e à má circulação. Uma alteração da diente e medicação adicional poderá ajudar a diminuir este desconforto.
10.    Estrias: As estrias gravídicas surgem devido ao rompimento das fibras elásticas, que sustentam a camada intermédia da pele, devido à acção das hormonas, associado ao aumento do peso e do útero. São alterações muito comuns e habitualmente após o parto costumam ficar mais discretas; Uma alimentação equilibrada evitando o excesso de peso, a associação da realização de massagens, prática de exercício físico moderado e a aplicação diária de cremes anti-estrias ou cremes gordos na mama, abdómen e nádegas, diminui o seu aparecimento.
Afinal estas sensações são normais e comuns! Às vezes penso que finalmente a gravidez está a aproximar-se do final, mas ao mesmo tempo sinto-me mais confusa, ao mesmo tempo que quero a gravidez acabe quero que demore mais um pouco, pois sei que depois vou sentir saudades! Hum… instabilidade de humor, mais um desconforto!

cpp