Mães e pais na 1ª pessoa

3 de Janeiro de 2014

Euromilionários oferecem cirurgia a menina com paralisia

03.01.2014 - A

Depois de, em 2012, terem pago a um jovem cuja perna foi amputada em sequência de um cancro uma prótese que devolveu a normalidade à sua vida, os maiores euromilionários do Reino Unido acabam de “assinar” mais uma boa ação: Colin e Chris Weir ofereceram, agora, a uma menina com paralisia cerebral uma cirurgia que lhe permitiu andar sozinha pela primeira vez.

Graças à generosidade do casal escocês, a pequena Skye Swinton, de quatro anos, foi submetida a um procedimento cirúrgico à coluna que tinha sido recusado pelo Serviço Nacional de Saúde britânico devido ao seu elevado custo, estimado em 40.000 libras (cerca de 48.000 euros).

Depois desta recusa, conta o Daily Mail, a mãe da menina, Ruth Swinton, decidiu tentar a sua sorte e escrever uma carta aos Weir, contando a história de Skye e pedindo-lhes ajuda para suportar a despesa associada ao tratamento.

Os escoceses, que, em 2011, ganharam 161 milhões de euros no Euromilhões, acederam prontamente e ofereceram-se para pagar as 28.000 libras (33.488 euros) que faltavam aos pais de Skye, depois de a família ter conseguido angariar 12.000 (14.300 euros) através do desenvolvimento de campanhas de solidariedade.

Em Outubro, a criança foi operada e, recentemente, deu os seus primeiros passos sem ajuda – a melhor prenda de Natal que a menina e os pais poderiam receber. “Vê-la andar com um sorriso no rosto é o melhor dos presentes. O progresso que ela tem feito é fantástico”, congratulou-se a mãe, Ruth, citada pelo jornal britânico.

A operação a que Skye, que sofre de uma forma de paralisia cerebral denominada diplegia espástica, foi submetida, de seu nome “risotomia dorsal seletiva”, foi realizada no Bristol’s Frenchay Hospital e é nova no Reino Unido, embora seja feita há vários anos nos EUA.

O procedimento envolve cortar nervos na região onde se juntam à espinal medula para “soltar” os músculos. Sem a cirurgia, a menina teria ficado confinada a uma cadeira de rodas e necessitaria de uma operação corretiva profunda dentro de alguns anos.

03.01.2014 - B

“No passado, ela não conseguia andar sozinha porque só conseguia caminhar em bicos de pés. Agora, consegue colocar os calcanhares no chão e ninguém a para. Ela está a adorar a possibilidade de andar e quer mostrar a toda a gente o quão bem anda”, partilhou a progenitora, que garantiu que a cirurgia vai fazer “uma enorme diferença” na vida da menina.

Em comunicado, Chris e Colin Weird (na foto à direita) disseram esperar que o donativo alivie as preocupações da família. “A Skye vai enfrentar muitos desafios no próximo ano. Sem a preocupação e pressão adicional da necessidade de angariar fundos, [os pais] podem dedicar-lhe todo o seu tempo”, acrescentaram.

 

 

Fonte: Boas Notícias