Espaço Família | Somos um Casal

Psicologia

9 de Maio de 2013

Eu e Tu … namorados

images (8)

No primeiro olhar surgiu um sentimento inesperado, forte e difícil de explicar!

Os dias passaram e os olhares cada vez mais intensos deram origem ao relacionamento íntimo e emocional. O namoro surgiu naturalmente e os momentos partilhados deixou-os cada dia que passava mais enamorados.

O namoro é uma forma de convivência, onde duas pessoas que nutrem um sentimento mútuo passam bastante tempo juntas. Não existe uma idade certa para começar a namorar. Enquanto ser único e individual, cada indivíduo sente o momento certo para iniciar esta experiência. As razões que levam ao enamoramento entre os apaixonados podem ser diversas: amor, atração física, companheirismo, curiosidade, afinidades diversas.

Quando se inicia o namoro, surge uma oportunidade esplêndida para descobrir o verdadeiro “eu” do outro e melhor o conhecer. Durante o tempo de namoro, a paixão e o amor desenvolvem-se e vão-se aperfeiçoando dia após dia.

Os dois apaixonados apresentam “duas facetas” do seu ser. Uma, a sua aparência, a forma como se veste e o estilo que adota.  A outra “faceta”, íntima e individual, que se traduz pelo seu “eu” interior, que poucas pessoas conhecem ou conseguem observar e que não muda quando se altera a roupa e os adornos.

É exatamente durante o namoro ou numa amizade profunda e real que temos a oportunidade de conhecer o outro e de nos darmos a conhecer “por dentro”.

Para se dar a conhecer e permitir que o outro nos conheça “por dentro”, é necessário tempo e esforço para o compreender em profundidade e para revelar o que somos e como somos, eliminando a possibilidade de erros e enganos.

O relacionamento entre duas pessoas que nutrem um sentimento romântico mútuo não pode basear-se em dados falsos, sob pena de se tornar um relacionamento ilusório, e que em pouco tempo irá terminar.

Relacionado com o desejo de manter uma relação e de, assim, construir um “nós”, surge o conceito de compromisso. Os namorados através de palavras e gestos demonstram o compromisso enquanto parceiros íntimos, melhorando assim os processos que protegem e fortalecem a ligação (e.g. confiança, dependência mútua, afeto). Assumir um relacionamento implica um compromisso permanente de verdade e sinceridade.

 

Dra. Sandra Silva (Psicóloga Clínica e Mediadora Familiar)

Consultório em Santarém – 243 328 303

CeFIPsi: Centro de Formação e Investigação em Psicologia

cefipsi_logo