Atualidade

21 de Maio de 2015

Dieta rica em sal pode atrasar a puberdade

Consumir muito sódio pode atrasar o início da puberdade, afetar a saúde reprodutiva e aumentar os níveis de stress, diz uma nova investigação, apresentada no Congresso Europeu de Endocrinologia, em Dublin, Irlanda.

“O consumo atual de sal em populações ocidentais pode afetar drasticamente a saúde reprodutiva e merece mais atenção”, alerta Dori Pitynski, investigadora responsável pelo estudo. Para o exercício, os investigadores deram alimentos ricos em sal (com valores três a quatro vezes superiores ao diário recomendado para os humanos) a ratinhos e concluíram que, quando comparado com outros roedores que comeram alimentos com níveis normais de sal, os primeiros tiveram um atraso significativo na chegada à puberdade.

A equipa de investigadores da Universidade de Wyoming, nos Estados Unidos, considera que apesar de muita atenção ser dada à relação entre gorduras alimentares e a entrada na puberdade, este estudo é um dos primeiros a debruçar-se sobre o papel do sal nesta fase da adolescência.

“O nosso trabalho mostra que níveis altos de gordura e sal têm efeitos opostos para a saúde reprodutiva”, diz Pitynski. “As dietas de gorduras altas aceleram o início da puberdade mas o nosso trabalho demonstra que os ratos alimentados com uma dieta rica em sal, mesmo com teor elevado de gordura, ainda têm um atraso na puberdade.”

No entanto, de acordo com os cientistas, a solução não é cortar completamente na ingestão de sal, uma vez que pouco sódio também pode ser responsável por um atraso semelhante.

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), o consumo diário de sal na idade adulta deve ser inferior a cinco gramas.

Fonte: Público 

© Becel