Espaço Família | Como Cresceram

Psicologia

2 de Agosto de 2014

Dicas para promover competências emocionais nas crianças

Competências emocionais

É fulcral que as crianças aprendam competências emocionais básicas como, identificar, nomear e distinguir as emoções, em si e nos outros, bem como expressá-las e geri-las de forma adequada, a fim de desenvolverem a sua inteligência emocional.

As vantagens são múltiplas, a curto e longo prazo: comunicar o seu estado emocional, controlar os impulsos, ser mais flexíveis face à contrariedade, desenvolver auto-estima e auto-confiança, imaginar-se na perspetiva do outro (empatia), respeitar o próximo, lidar com os desafios do quotidiano de forma assertiva, definir e resolver problemas e tomar decisões ponderadas, favorecer o relacionamento interpessoal e intrapessoal, promover o bem-estar pessoal e social.

Deste modo, seguem-se alguns exemplos de atividades que poderá fazer com as crianças, devendo adaptá-las à sua idade e nível de desenvolvimento:

 Mostre à criança imagens com diferentes expressões faciais básicas e peça-lhe para estar atenta às expressões das personagens dos seus livros e filmes infantis, ajudando-a a identificar as emoções e a relacioná-las com as situações representadas ao longo das histórias.

 Quando reparar que a criança está triste, com raiva, medo, alegria, etc., ajude-a a identificar os sinais corporais (ex.: coração a bater depressa, mãos a tremer, dor de barriga) e manifestações (ex.: vontade de estar sozinho, de bater ou fugir) específicas de cada emoção.

 Faça jogos de mímica, adivinhas ou desenhos nos quais cada um terá de representar uma situação e o outro terá de adivinhar a emoção correspondente, dando ênfase à expressão do rosto (à direção do olhar, o sobrolho, o sorriso, as caretas), do corpo (a postura, a posição dos membros), e/ou do tom de voz.

 Apresente à criança situações distintas do dia a dia (ex: “O teu colega tira-te o lápis porque perdeu o dele; O gato morreu; Não fazes bem um exercício; A professora elogia um trabalho teu diante de toda a turma; Chateias-te com o teu melhor amigo; Está um grupo de crianças a brincar e sentado a um canto encontra-se um menino, triste, com quem ninguém joga.”) questionando “O que sentirias e farias nesta situação?”

Verá que, pouco a pouco, a criança será capaz de identificar e distinguir cada vez mais e diferentes emoções e respetivas manifestações (físicas, cognitivas e comportamentais) nela própria e nos outros, em diversas vivências do seu dia-a-dia. É importante realçar que a criança deverá ir percebendo que todas as emoções devem ser aceites e vividas em pleno e que as emoções desagradáveis não são unicamente más, que podemos e devemos tolerá-las, não as

escondendo nem reprimindo. Desta forma, estará a promover condições adequadas para criar um ambiente onde podem exprimir todas as emoções, aprendendo a ter mais tolerância e controlo sobre elas.

O desenvolvimento destas competências requerem tempo, paciência e treino diário, contudo devem ser encaradas numa perspetiva de promoção de inteligência emocional e de prevenção do desenvolvimento de problemas sócio-emocionais ao longo da vida.

Raquel Carvalho

Psicóloga Clínica

Equipa Mindkiddo – Oficina de Psicologia

logo3