Espaço Família | O nosso 1º Filho

Cuidados ao Bebé

7 de Abril de 2014

Depois de pegar na chupeta é difícil largar (ou mais 4 coisinhas sobre chupetas)

1) Existindo tanta oferta mercado, pode ser difícil aos pais escolher a melhor chupeta. Deixo-vos alguns aspectos que podem ajudar na escolha:

  • as chupetas de uma peça são melhores porque não há peças em risco de se soltarem e serm aspiradas
  • as chupetas deverão ser maleáveis quanto baste para se adaptarem à boca do bebé, mas não frágeis o suficiente para se desfazerem
  • as de borracha exigem uma troca mais frequente, porque começam a largar partículas
  • o aro à volta da tetina deverá se grande o suficiente para impedir a introdução total na boca da crianças e ter aberturas para a passagem de ar, caso isso aconteça
  • a forma da ponta pode ser variável e umas dizem-se mais anatómicas que outras. Não encontrei estudo nenhum que me diga que uma forma é melhor para o desenvolvimento dentário ou entermos de aceitação pelo bebé que outra, pelo que o melhor é comprar, experimentar e dar-lhe a que ele gostar mais.
Com vêm nem sempre a chupeta mais bonita será a mais segura para o bebé, mas, como em tudo, temos que ter bom senso. Cá em casa, não deixámos de comprar chupetas com o nome do JM ou umas do Mickey (que ele adorava), apenas porque não eram de uma só peça. Obrigou apenas a que estivéssemos mais vigilantes quanto às condições do material.
2) Outro conselho que deixo sempre: tenham muitas chupetas disponíveis. Trocar de chupetas frequentemente é uma questão de higiene (muitas vezes não temos onde as lavar) e de segurança, porque as partículas que se soltam podem ser aspiradas pelo bebé. Mas é também uma forma de evitar que a criança se ‘vicie’ numa chupeta específica, não aceitando qualquer outra. Tinha uma tia que teve que coser várias vezes uma chupeta velha e praticamente podre, porque a minha prima não dormia senão com aquela chupeta (imaginem o perigo!). O mesmo se aplica às tetinas do biberão. Podem ler aqui o que passámos com o JM.

3) Para quem quer amamentar, aconselha-se a introdução da chupeta após o bebé ter aprendido bem a mamar,  o que deverá acontecer até às 3-4 semanas de vida.Repito, o uso da chupeta tem-se provado benéfico na prevenção da morte súbita.

4) Outra vantagem do uso da chupeta é que ela é mais fácil de ‘desmamar’ do que o dedo. Este último está sempre disponível, enquanto a chupeta pode desaparecer de vez em quando. Não há fórmulas mágicas para o fazer. Os pais terão de encontrar a melhor altura e a melhor estratégia para ajudar a criança a deixar a chupeta.

Nota final.  Um dos objectivos deste blogue é dar ferramentas aos pais para poderem tomar as decisões respeitantes aos seus filhos por eles próprios e não seguirem apenas ordens médicas ou regras pré-estabelecidas, que tantas vezes são provadas e depois refutadas ao sabor dos tempos. Um dos meus primeiros textos neste blogue descreve a estratégia que usámos para o JM deixar a chupeta. Um texto a que dei o título ‘pai imperfeito’ e que me deu muito gozo escrever. Representa outro dos objectivos deste blogue: há histórias que não quero esquecer;  há histórias que mostram quão imperfeitos podemos ser. E isso é tão bom.

Blog | E os Filhos dos Outros