Mães e Pais na 1ª Pessoa

Joana Gama e Joana Paixão Brás  

A Mãe é que Sabe

Como dar banho a um recém-nascido?

Estava eu na Maternidade toda desconjuntada e azamboada, com dores nos pontos (sim, tive um parto natural sem pontos, mas depois fui toda aberta na barriga, que é para não me armar em boa), com o Bobi atrás com soros e medicação, e um andar daqueles estranhos de quem está à procura de trocos no chão, mas fiz questão de dar o primeiro banho à Luisinha. Já da Isabel desmaiei, quando era a hora do banho, e teve de ser o pai a ter esse prazer. Prazer ou antes “a miúda vai escorregar, afogar-se ou desmembrar-se toda, ó meu Deus no que no que me fui meter?”. 

Achava eu que com a segunda já seria toda uma descontracção e até lhe daria banho com os pés, mas não. Mesmo calmas, parece que nos esquecemos de tudo, é estranhíssimo. Tive ajuda da enfermeira Sofia que, para além de gira como um raio, é das pessoas mais talhadas para a profissão que há, super serena e a dar-nos imensa confiança, mesmo que eles já tenham engolido 5 litros de água.

1

Não dá antes para lambê-los como se fossem um cãozinho e pronto?! Dar dá, mas sigam antes uma lista de passos que vou sugerir, que é capaz de resultar melhor, e eles escusam de ficar a cheirar a hambúrguer.

1) Ter tudo à mão: banheira (de preferência num sítio alto para não ficarem corcundas), produtos do banho, toalha, fralda, muda de roupa, pente ou escova (se os vossos filhos tiverem mais cabelo do que o Tony Ramos tem no corpo todo, como é o caso da Luisinha). Aquela coisa do “é só meio segundo, vou ali e já venho” never, jamais. Lembrem-se, os desastres não acontecem só aos outros (mesmo na banca ou no trocador, eles têm reflexos e conseguem deslocar-se como recrutas na tropa, em menos de nada estatelam-se no chão). Se se tiverem de deslocar, vão com eles enroladinhos na toalha.

2) Água a 38ºC, que é como quem diz, “o que vos parecer bem, mas mais para o quentinho”. Se ficarem mais descansadas, usem termómetro nos primeiros tempos. Certifiquem-se que a água está misturada, a uma temperatura homogénea (infelizmente há casos de queimaduras parvas assim).

3) Caso eles protestem de outra forma, esqueçam a regra do menos sujo para o mais sujo: é começar o banho com eles de bruços, apoiados no nosso antebraço. A Luísa adora estar nessa posição no banho e começo logo por lhe lavar as costas, o rabo, os pézinhos e as pregas do pescoço (como é possível eles ficarem com uma bola de cutão nesses refegos?)

2

4) Depois, virar o frango, colocando-o no nosso antebraço e prendendo-o, com a nossa mão fechada, na axila. Confesso que prefiro colocar a mão por detrás do pescocinho dela. Desde que os sintam presos e estejam confiantes e eles confortáveis, siga.

5) Deixar a cabeça para o fim, que é onde eles arrefecem mais. Lavar só o cabelo, com algum cuidado para não escorrer para os olhos. A cara é lavada depois do banho (ou antes, como preferirem) só com compressas e soro e os olhos num só movimento, da zona menos suja para a mais suja, ou seja, de fora para dentro.

6) Depois de a retirar da água, gosto de embrulá-la bem e secá-la por alto ainda no meu colo. Depois, limpar bem as preguinhas, isto se não desatarem a berrar mais que um cantor de ópera. Pôr um creme hidratante se a pele estiver seca (há bebés que adoram até uma massagem – as minhas duas dispensam bem, querem é ter roupa o mais rápido possível no corpo).

Mais dicas:

O banho deve ser rápido porque a água arrefece muito, mas podem aproveitar esse tempo para falar com os vossos bebés, explicarem o que lhes estão a fazer (com aquela voz melosa fofinha que tanto fazemos) ou até mesmo inventarem uma música para o banho, começando a criar uma rotina boa para ambos.

3
Estamos a usar produtos Corine de Farme (gel de banho, champôeleite hidratante) e tenho gostado muito. São suaves, não têm cheiro intenso (é o que se quer), são 96% de origem natural, sem parabenos, álcool e porcarias acabadas em etanol e ftalatos e o diabo a quatro, e novidade para mim, o gel de banho tem recargas, o que é óptimo para o ambiente!

Há quem lhes dê banho todos os dias, mas enquanto eles são bebezinhos não vejo necessidade nenhuma disso (só percebo a parte da rotina, vá). Dou dia sim, dia não, mas às vezes até dou só duas, três vezes por semana. Vou avaliando.

Tirando o primeiro dia na Maternidade, acho que isto dos banhos é como andar de bicicleta. Mesmo que pareçamos enferrujadas, basta uma vez para nos voltarmos a ambientar à coisa e, com o tempo – se eles deixarem – torna-se um dos momentos mais bonitos que podemos viver com as nossas crias.

Blog | a Mãe é que sabe