Atualidade

31 de Outubro de 2014

Comissão Europeia proíbe dois parabenos em cremes para a muda da fralda

Os cremes para aplicar na zona da fralda dos bebés vão deixar de ter propil e butilparabenos. Algumas substâncias usadas em cremes e loções corporais também foram proibidas.

Os pais conhecem-nos por “cremes-barreira” e servem para aplicar na zona da fralda. Todos os produtos comercializados a partir de 16 de abril de 2015 e adequados para crianças com menos de 3 anos vão deixar de ter propilparabeno e butilparabeno.

Os parabenos usam-se em cosméticos e em produtos de higiene corporal como conservantes. Suspeita-se que funcionem como desreguladores endócrinos e contribuam para o aparecimento de problemas hormonais e doenças. No caso dos cremes aplicados na zona da fralda, os parabenos conseguem penetrar melhor na pele do bebé porque está tapada e confinada a um espaço húmido e escuro (em oclusão), mas também se houver uma irritação cutânea.

Desaconselhamos mesmo o uso de produtos com parabenos nos bebés com menos de seis meses, bem como em crianças com outras idades, se aplicados na zona da fralda. Leia a lista de ingredientes para saber se o produto contém estas substâncias: todos os que terminam em “paraben” são parabenos.

Atenção a outros parabenos
A Comissão Europeia permite que os propil e butilparabenos sejam usados noutro tipo de cosméticos, mas limitou a sua concentração máxima a 0,14% quer sejam usados em conjunto ou em separado. O nosso conselho: os produtos que ficam na pele por várias horas, como cremes e loções para o corpo, com butil e propilparabenos são de evitar, principalmente em crianças com menos de 3 anos e em grávidas.

Proibiu-se ainda a mistura de metilcloroisotiazolinona com metilisotiazolinona em produtos que ficam na pele, como os cremes corporais ou de rosto. O objetivo é reduzir o risco e a incidência de alergias cutâneas. Esta mistura de conservantes continua a poder ser utilizada em produtos enxaguáveis, como champôs e géis de duche, com uma concentração máxima de 0,0015 % (e um rácio de 3:1). Esta proibição aplica-se aos produtos comercializados a partir de 16 de julho de 2015.

A Comissão Europeia já tinha interditado a utilização de outros cinco parabenos em produtos cosméticos: isopropilparabeno, isobutilparabeno, fenilparabeno, benzilparabeno e pentilparabeno. Os produtos colocados no mercado após 30 de outubro de 2014 não podem incluir essas substâncias. Mas há parabenos de utilização segura. É o caso do metilparabeno e do etilparabeno, de acordo com o Comité Científico da Segurança dos Consumidores.

Para que servem os conservantes?
Protegem os consumidores contra agentes patogénicos nocivos que, caso contrário, invadem cremes e produtos. Sem conservantes, todos os cosméticos contariam com um período de conservação muito reduzido e, na maioria dos casos, teriam de ser guardados no frigorífico.

Fonte | Deco Proteste