Atualidade

13 de Agosto de 2013

Cientistas mais perto de tratar doença de Parkinson

 

1376386456brain
Um grupo de investigadores de várias instituições britânicas acaba de concluir que uma série de mutações genéticas associadas à doença de Parkinson podem ser as responsáveis pela morte de células cerebrais nos pacientes com aquele problema, uma descoberta que poderá contribuir para o desenvolvimento de fármacos mais eficazes contra a patologia.

 

De acordo com o estudo, coordenado por Helene Plun-Favreau e publicado recentemente na revista científica Nature Neuroscience, que contou com a participação de especialistas do UCL Institute of Neurology, da Universidade de Cambridge e da Universidade de Sheffield, defeitos no gene Fbxo7 registados na doença de Alzheimer causam obstáculos ao nível da mitofagia.

 

Trata-se de um processo essencial através do qual o nosso organismo é capaz de eliminar mitocôndrias (organelas celulares responsáveis pela produção de energia vitais para as células nervosas) danificadas e, consequentemente, muito perigosas para a saúde.

 

Um comunicado divulgado pelo UCL – University College London explica que, ao longo dos últimos três anos, os cientistas têm acreditado que dois genes associados com a doença de Parkinson, o PINK1 e o Parkin, desempenham um papel neste processo de mitofagia, mas este novo estudo mostra exatamente a importância crucial do processo e a forma como as mutações num outro gene, o Fbxo7, interferem na doença e na ação dos primeiros dois genes.

 

Nos doentes com Parkinson, as mutações genéticas causam defeitos na mitofagia, levando a uma acumulação de mitocôndrias disfuncionais, o que justifica, pelo menos parcialmente, a morte das células cerebrais nos pacientes que sofrem desta patologia e apresentam sinais destas mutações.

 

Segundo Helene Plun-Favreu, líder do estudo, o que torna este estudo particularmente importante é “a confirmação de processos deficientes de mitofagia em diferentes modelos da doença de Parkinson, incluindo nas células de pacientes com uma mutação do gene Fbxo7.

 

“Estas descobertas sugerem que é possível desenvolver estratégias de tratamento que tenham como alvo o processo de mitofagia para beneficiar os doentes com Parkinson no futuro”, conclui a especialista.

Fonte: Boas Noticias