Atualidade

26 de Março de 2014

Cão esperou dois dias pelo dono à porta da Urgência

O caso envolveu um indivíduo de etnia cigana que, no sábado, precisou de cuidados médicos e dirigiu-se aos HUC, conduzindo ele próprio uma carrinha, que estacionou num parque para veículos de doentes urgentes, mesmo junto àquele SU. Não levava família, apenas o pequeno cão, que deixou em liberdade, antes de passar para o interior das Urgências.

A espera não terá sido fácil. Pela demora e pela incompreensão de alguns humanos, igualmente incompreendida pelo animal: “Os seguranças enxotavam-no, mas ele insistia e voltava sempre”, conta um funcionário, impressionado com a “fidelidade” do cão, até por comparação com a de “familiares que, às vezes, não querem saber dos doentes”.

Fonte: Jornal de Notícias