Espaço Família | O nosso 1º Filho

Psicologia Clinica

26 de Agosto de 2015

Birras que são birras não tiram férias.

Ainda a gozar uns dias de férias? Descanso, tranquilidade, não ter que cumprir horários, praia, sol e … birras? Pois é, parece que as birras que se prezam não dão tréguas e vão de férias, vão à praia, vão ao restaurante e teimam em não nos largar.

Já lhes pediu, implorou, ignorou… mas, as birras teimam em fazer companhia para onde quer que vá.

Mais do que saber o que deve fazer, é importante que saiba o que não fazer. Com toda a certeza o seu objectivo não é recompensar o comportamento de birra do seu filho mas, se lhe der atenção no momento, estará a reforçar este comportamento e a aumentar a probabilidade de este se reproduzir. Mantenha-se firme e não ceda à birra da criança.

Apesar de a consistência e a coerência serem a chave para conter e diminuir os comportamentos de birra, existem algumas dicas que poderão ajudá-la a persuadir as birras a darem-lhe mais descanso nas férias. Entre elas estão as que lhe deixamos de seguida.

– Procure ouvir e perceber o que motivou este comportamento na criança.

– A mesmo tempo que tenta perceber os motivos da zanga da criança, estabeleça contacto visual com a criança.

– Dê o exemplo e adopte uma postura calma. Se se descontrolar que exemplo estará a dar ao seu filho?

– Recorrendo a uma linguagem adequada ao nível de desenvolvimento da criança, explique-lhe que a forma como está a agir é menos correcta.

– Se nenhuma das dicas dadas anteriormente resultar, ignore a birra, para que a criança perceba que não é deste modo que consegue o que quer.

– Se vai ameaçar com um castigo, certifique-se de que este é proporcional ao tamanho da birra, adequado à idade da criança e que o vai mesmo aplicar. Ameaçar com um castigo que depois não cumpre cria inconsistências nas regras parentais e faz com que a criança construa a ideia de que, na próxima vez, acabará por ceder, da mesma forma.

– Depois de o monstro das birras se acalmar, procure explorar com o seu filho o que se passou, o que fez de errado e o que seria esperado e correcto numa situação similar.

– Quando as birras fizerem uma pausa, explore a situação e procure ensinar ao seu filho estratégias alternativas para controlar birras futuras e formas mais assertivas de expressar as emoções.

 

A caça ao monstro das birras está prestes a começar… Quem se atreve?

Liliana Freitas Branco

Psicóloga Clínica

Equipa Mindkiddo da Oficina de Psicologia

* Artigo exclusivo para Barrigas de Amor®

 

logo oficina da psicologia horizontal