Atualidade

2 de Fevereiro de 2015

Bebés com duas mães e um pai

Centenas de bebés poderão vir a nascer, todos os anos, de três progenitores diferentes, se a técnica de reprodução assistida que usa ADN múltiplo vier a ser aprovada pelas instituições de saúde de vários países ocidentais. Ou seja, a médio prazo, essas crianças poderão reclamar a condição de terem duas mães e um pai, embora as consequências legais estejam longe de estar estabelecidas.

Na base deste desenvolvimento científico está o facto de, todos os anos, milhares de mulheres arriscam transmitir doenças genéticas potencialmente fatais aos seus bebés, através do chamado ADN mitocondrial. As mitocôndrias são as “pilhas” que fornecem energia às células e quando têm problemas podem estar na base de cerca de meia centena de patologias.

Ao substituir o ADN defeituoso de um óvulo por mitocôndrias saudáveis de outra mulher, esse perigo é evitado, mas o bebé concebido terá caraterísticas genéticas de três pessoas: duas do sexo feminino e uma do masculino. A técnica foi desenvolvida pelo Centro de Pesquisa Mitocondrial da Universidade de Newcastle (Reino Unido) e divulgada num artigo publicado no “New England Journal of Medicine”.

Fonte | Pais&Filhos