Atualidade

23 de Julho de 2015

Bebé recusada em creche devido a tatuagens do pai

Clife Barbosa, tatuador de 27 anos de Oeiras, contou no Facebook o que lhe aconteceu depois de ele e a mulher terem sido chamados para uma reunião numa IPSS que já teria garantido uma vaga para a filha bebé. Parece que a diretora não terá gostado muito das tatuagens de Clife e por isso rejeitado a inscrição da bebé.

Clife Barosa contou no seu Facebook que o casal foi chamado para uma reunião onde os informaram que os seus rendimentos não chegaram a ser analisados, algo que deve acontecer nas IPSS.

O casal considera que lhes foi feita “uma proposta de mensalidade acima dos rendimentos”apresentados.

Mas o que Clife salienta da reunião são as acusações de discriminação. “A reunião era com a diretora que fez logo cara de nojo quando viu os meus braços”, conta no Facebook, onde diz, relativamente à vaga para a filha bebé, que “o problema veio depois quando chegou aos ouvidos da diretora que eu tatuava”.

Na mesma reunião, a diretora terá feito comentários sobre “essas tatuagens…”. A dada altura, quando perguntaram à mãe da pequena Mel se os pais podiam ficar com a criança, e mãe respondeu que não, o que se seguiu foi uma outra pergunta, intrusiva: “Não aceitaram o casamento, foi?”.

Na rede social, Clife Barbosa realça que “nem isso faz de mim um mau pai, porque sou melhor pai que muitos que andam por ai e que nem uma tatuagem têm”. E diz ainda que “não é por estar tatuado que sou bandido, que me drogo, e que não tenho princípios”.

A publicação de Clife Barbosa no Facebook tem ganho cada vez mais destaque e conta já com quase 12 mil partilhas. Para já, o casal optou por não revelar o nome da instituição onde a bebé terá sido discriminada pelas tatuagens e profissão do pai.

Fonte: Nova Gente