Espaço Família | Somos um Casal

Nutrição

31 de Maio de 2013

As principais desculpas

Já perdi a conta às várias tentativas que fiz para seguir uma dieta equilibrada à risca e nunca consegui. Hoje na consulta com a nutricionista percebi que talvez não seja tão difícil como penso! Afinal, são apenas desculpas…

Na minha consulta, deparo-me com alguns pretextos que são frequentemente utilizados pelos pacientes para adiar o início de um plano alimentar equilibrado. Leia, identifique as suas razões e diga-lhes adeus!

1. Tem uma vida muito ocupada e não tem tempo?
1 ano = 12 meses
52 semanas
365 dias
8760 horas
525600 minutos
Aprenda a gerir o seu tempo e toda a sua vida sairá a ganhar. Poupará tempo e dinheiro.

2. Comer para si é o maior prazer da vida?
Comer de forma equilibrada não implica privar-se do prazer. Não pense que vai deixar de comer, vai sim reeducar a sua alimentação. E está na hora de acabar com os preconceitos em relação à alimentação saudável. Existe a ideia generalizada de que as pessoas que têm cuidado com a alimentação só comem sopas sensaboronas e pratos de alface. É falso!

3. Já fez outras dietas que não resultaram?
Num processo de perda de peso podem cometer-se erros gravíssimos. Deixar de comer, recorrer a dietas demasiado restritivas que associa a passar fome e ainda por cima desequilibram o organismo. Se quer perder peso, não vale tudo! Invariavelmente, perder peso de forma drástica pode levar a que, finda a dieta, volte a ganhar os quilos perdidos. Ou mais ainda.
Esqueça experiências aterradoras e desoladoras que tenham acontecido consigo ou com os outros. Dê uma nova oportunidade ao seu corpo e à sua saúde. Dê-se uma nova oportunidade a si próprio.

4. Pensa que já não vai a tempo? Perdido por cem, perdido por mil?
Jamais! Se não vai a tempo de prevenir, vai sempre a tempo de remediar. Não adianta chorar sobre o leite derramado. Se desistir de si e não mudar o seu comportamento, então a tendência é o problema agravar-se dia após dia. Corre o risco de chegar a um ponto em que os problemas deixam de ser apenas físicos, com o surgir de sintomas como a angústia, a depressão e outros distúrbios psicossomáticos.

5. Falta-lhe coragem para perder peso?
A falta de força de vontade é um dos maiores entraves à perda de peso. Pode ter acompanhamento médico, pode saber aquilo que pode, ou não comer, mas a verdade é que o sucesso depende de si. Se decidir atacar o frigorífico a meio da noite, não há médico que lhe valha.

6. Parece-lhe impossível conseguir perder tantos quilos?
O ano tem doze meses. Tem de aceitar que perder um quilo por mês é uma missão ao alcance de qualquer um. Agora só tem de multiplicar pelos meses do ano e ao fim de um ano são 12Kg perdidos!

7. Não consegue resistir a uma mesa farta?
Não pense que é aquilo que come em ocasiões especiais que o faz engordar. É aquilo que come diariamente. Se seguir um plano alimentar adequado, vai encontrar espaço para cometer “pequenas loucuras”, aos fins-de-semana, aniversários, Natal, Páscoa…

8. Até tem cuidado com o que come, mas só a partir da primavera?
Todos os anos é a mesma coisa. Aos primeiros raios de sol, as consultas de nutrição e as clínicas de estética vivem verdadeiras enchentes. Depois de um inverno em que as camadas de roupa ajudam a esconder e disfarçar as gorduras indesejadas, o calor vai chegando, e com ele os pedidos de socorro. A subida das temperaturas chega de forma implacável, fazendo anunciar-se como a máquina da verdade. É a altura da corrida aos ginásios, às clínicas de beleza e estética. É o momento em que se recorre a dietas demasiado restritivas, que garantem resultados rápidos, e aos comprimidos que nas montras das farmácias prometem autênticos milagres. Evite esta pressão e antecipe-se!

A resposta a todas estas perguntas poderia ser apenas uma: não somos perfeitos!
Não vale a pena fechar os olhos às suas fragilidades. Elas vão empurrá-lo contra uma parede e fazê-lo sentir-se impotente e sem hipótese de encontrar uma decisão ou uma saída. Aceite as suas fragilidades e aprenda a lidar com elas.
É verdade que todos temos comportamentos mutáveis, estados de humor variáveis e que focamos a nossa atenção em diferentes objetivos, consoante as fases da nossa vida. Mas ainda assim, temos na nossa mão o poder de controlar este processo, porque existe o livre arbítrio.
Lembre-se sempre que a palavra de ordem é prevenir. Cumpra um plano alimentar adequado e pratique exercício físico. Durante os 12 meses do ano. Seja para prevenir ou para remediar.

 Dr.ª Iara Rodrigues
Nutricionista