Mães e Pais na 1ª Pessoa

Inês Simões 

Eu, Mãe

As maravilhas da maternidade | O meu marido, o enabler

O meu marido foi em viagem nos últimos dias.

(Socorro, fiquei sozinha com os miúdos!!, pensei eu logo, mas por acaso está a correr tudo muito bem, precavi-me, tenho a minha maravilhosa M. e estamos todos vivos)

Continuando. Havia a questão da Rita, a tartaruga. Se a Rita fosse uma gata ou uma cadela, eu seria a sua pessoa preferida, porque eu não lhe ligo nenhuma, sou apenas uma eminência parda que zela pelo seu bem estar, de longe. Ou então andaria sempre atrás do meu marido, que é quem lhe dá de comer. Seja como for, o meu marido adora a Rita, dá-lhe de comer, pô-la ao lado da secretária no seu escritório, limpa-lhe o aquário, conta-me embevecido que ela esgravata tão bem a areia. É comovente!

Então, indo o meu marido viajar, passou-me um rol de recomendações relativamente ao bem estar da bicha. Que lhe desse comida em grânulos do tamanho da sua cabeça à noite e alguns camarõezinhos secos. E começou o momento twilight zone:

– Eu não vou dar camarões, estou sempre a dizer-te para não dar camarões. Eu não dou.

– Tens de dar, ela gosta!

– Uma leitora veterinária escreveu-me de propósito a avisar que aquilo é snack, não alimento. Não dou!

– Tens de dar, ela adora, Come aquilo a correr, até se ouve ela a trincar.

– Aquilo é a bolacha maria das tartarugas! Queres dar Bolacha Maria ao jantar dos teus filhos?!

– Mas se ela não comer camarões fica triste, Coitadinha!

– Mas tu já te ouviste, pareces as nossas mães a falar!

– Não pareço nada e não lhe faz mal nenhum, ela gosta!

– Mas o que é isto, eu não acredito na tua conversa, eu não vou dar camarões à Rita!

E ele ficou desesperado e eu fiquei chocada com o enabler que aqui vai. Coitada da bicha, tem um dono que mais parece avô. Bem pode chamar-se Rita, que não lhe vale de nada, que ele não a trata como filha, trata como neta. Ainda bem que apenas temos rapazes, que já estou a ver que se tivessemos a princesa de seu pai ainda dava em trombadinha social… Conclusão, a Rita está em detox, como eu, e mais nada!

Blog | Eu, Mãe