Espaço Família | O nosso 1º Filho

Psicologia Clinica

3 de Fevereiro de 2016

As Crianças e os Amigos Imaginários

A infância é a fase da fantasia por excelência. A fase onde a criatividade e a imaginação imperam. Durante a infância, a criança cria histórias, imagina brincadeiras, explora, brinca e inventa. Por entre brincadeiras, jogos e brinquedos, no caso de algumas crianças podem surgir também amigos imaginários, sobretudo em crianças muito pequenas. A existência destes amigos irreais, frequentemente geram alguma preocupação nos pais, que têm receio de que este seja um mau sinal (por vezes, associam a dificuldades em fazer amigos reais, outras vezes pensam tratar-se de problemas ainda mais graves).

amigo imaginário

A boa notícia, é que não há razão para alarme: os amigos imaginários são perfeitamente “normais” na infância.

Se pararmos para pensar com clareza, o que é a infância na sua essência? A infância é imaginação, é  inventar histórias e brincadeiras, é criar, construir sem barreiras. È o universo das fadas, dos super-heróis, da magia, das princesas, verdade? Em que é que um amigo imaginário se distingue de tudo isto? Em que é que falar com um amigo imaginário é diferente das conversas que o seu filho/a constrói  com a sua boneca ou com o seu homem-aranha? Tudo isto mais não é que a infância na sua essência! O desenvolvimento a acontecer por si só de uma forma perfeitamente normativa e saudável.

Por essa razão, deixo-lhe aqui algumas ideias centrais a ter em consideração sobre estes amigos especiais dos mais pequenos:

– Um amigo imaginário não é o mesmo que alucinações: a criança conversar ou agir como se o seu amigo imaginário existisse na realidade nada tem a ver com alucinações ou estados psicóticos. A criança está tão somente a fazer o mesmo que faz quando imagina que está a conversar com o médico quando leva a sua boneca ao médico, por exemplo.

– Não deve proibir a criança de falar com o seu amigo: encare o pedido da criança para que aceite o seu amigo imaginário, com os pedidos que ela lhe faz para a ajudar a cuidar da sua boneca (que ela encara como uma filha e não como uma mera boneca).

– Os amigos imaginários não duram para sempre: os amigos imaginários são amigos de crianças. À medida que a criança cresce, eles desaparecem por si só, à medida que o desenvolvimento vai evoluindo. Eles surgem numa fase específica, permanecem enquanto são importantes e saudáveis na vida da criança e quando deixam de o ser, desaparecem, sem qualquer prejuízo para a criança.

– Encare o amigo imaginário como um aliado: é importante que olhe para o amigo imaginário do seu filho como um aliado seu na promoção do desenvolvimento da criança, na medida em que este é uma via através do qual a criança pode expressar conflitos, colmatar inseguranças, expressar emoções e estimular o seu desenvolvimento afetivo e cognitivo.

Lembre-se sempre: nos primeiros anos de vida da criança, a noção da realidade tal como ela é, ainda não está presente, como é natural. E é por isso que a infância é tão especial: porque nela, tudo é possível, até o que não é real e não há mal nenhum nisso. O amigo imaginário não é real? Não, de facto não é. Como também não o é homem-aranha, o pai-natal, a fada dos dentes e tantos outros personagens tão importantes e saudáveis no universo infantil. Mas é isso que faz da infância uma etapa tão especial e crucial de todo o desenvolvimento humano.

 

Sandra Azevedo

Psicóloga Clínica

*artigo exclusivo para Barrigas de Amor®

 

Logo