Espaço Família | Como Cresceram

Psicologia

13 de Agosto de 2013

As birras, como geri-las?

11111

As birras podem ser definidas como a manifestação de emoções, sentimentos, vontades e necessidades das crianças. São uma forma de expressão que a criança experimenta para ver satisfeita a sua vontade imediatamente. As birras surgem geralmente numa fase em que as crianças procuram demonstrar a sua independência e provar que são capazes de fazer coisas e/ou de decidir sozinhas (Webster, citado por Stratton, 2010). Algumas gritam, insultam os pais, outras choram, dão pontapés, outras agitam os braços e deitam-se para o chão, outras atiram brinquedos e outras, objetos para o ar.

Ao serem confrontadas com exigências, regras e limites, as crianças podem utilizar a birra como recurso para afirmar desagrado e lutar pela satisfação das suas vontades.

As birras podem vir associadas ao ciúme entre irmãos. Isto é, uma criança em idade escolar pode, por exemplo, ter dificuldade em compreender que o irmão adolescente leva dinheiro para a escola, enquanto os pais não lhe dão a ela… e pode recorrer a birra com o objetivo de obter também mesada. Existe a tendência em alguns pais de ceder às birras das crianças porque se sentem culpados do pouco tempo que passam com ela, para recompensar um bom comportamento, ou simplesmente porque a birra num local público está insustentável e a cedência ajuda a criança a acalmar no imediato… Ao ceder passa-se a mensagem que as birras são normais e perfeitamente aceitáveis para as crianças obterem aquilo que desejam. Nestes casos, as crianças aprendem que podem recorrer às birras para verem suas vontades satisfeitas. E, dá-se asas a um ciclo vicioso que se torna cada vez mais difícil de controlar e ultrapassar. Existem relatos de casos extremos em que os pais deixam de conseguir usufruir de momentos de partilha com os filhos devido às birras (pois tornam insuportáveis os momentos de convívio familiar).

A birra deve ser vista como um momento de confronto e de teste do papel do adulto que serve para a criança conhecer os seus limites e saber lidar com a frustração de não ter tudo aquilo que quer, quando quer.

Dra. Nelly Almeida (Psicóloga clínica)

Consultório em Leiria

CeFIPsi: Centro de Formação e Investigação em Psicologia

cefipsi_logo