Mães e Pais na 1ª Pessoa

Vera Pereira 

As Viagens dos Vs

Aquilo que aprendi sobre ser mãe de um rapaz

Adoro ser mãe de um rapaz! Ou melhor, adoro ser a mãe do meu rapaz! Adoro a forma como o Vicente me trata e a relação que tem comigo: ele é afectuoso, carinhoso, protector, mas um bocadinho possessivo também, é certo!

É verdade que não tendo uma filha, não posso comparar e que, quando dizem que “os meninos são mais apegados à mãe e as meninas ao pai”, isso pode não ser necessariamente assim, pois o que conta mesmo é a educação que têm e a sua própria personalidade.

O meu filho adora o colo da mãe, gosta a fingir que é um bebé e aninha-se no meu colo como quando era mesmo um bebé. Ele gosta de me dar festinhas e beijinhos e quando o pai não está, a caminha da mãe é a sua cama.

Também não aceita (sem, pelo menos, oferecer uma grande resistência) que não seja a mãe a cuidar dele na hora de comer, de dormir, quando se aleija… ou seja, em praticamente todas as situações. Às vezes, torna-se um pouco sufocante não conseguir ter liberdade, não conseguir passar o testemunho quando queremos descansar ou quando precisamos de fazer outra coisa – sim, ser mãe é também ter sentimentos destes – mas, se pudesse escolher que fosse de outra maneira, eu nunca iria escolher que fosse diferente.

E se, ser mãe do Vicente já me permitiu aprender alguma coisa sobre o mundo dos rapazes, aqui ficam algumas delas:

1) O drama é já uma coisa que nasce com eles.

Quando o Vicente dá pequenas quedas ou quando tropeça, larga num berreiro (que se vê claramente que nada tem a ver com a dor que possa sentir) e vem a correr em direcção a mim a dizer que tem dói-dói e que precisa de um beijinho “curativo”. E, de repente, esse dói-dói espalha-se pelo corpo todo e, frequentemente, acabamos numa beijoquice pegada.

Vá, eu confesso, que também alimento isto, mas quem é que consegue resistir aos beijinhos de uma criança, quem?!

2) São ciumentos, principalmente em relação à mãe. 

Aqui em casa, não existem dúvidas, o Vicente diz: “A mãe é MINHA, PAIIII!!!” e é ele que diz se o pai pode ou não dar um beijinho à mãe e quando.

3) O futebol está-lhes no sangue. 

Em qualquer sítio e em qualquer lugar, jogar à bola faz parte das brincadeiras preferidas do Vicente. Até agora, só me é pedido que dê uns chutos na bola, porém mais tarde, já me imagino a ter que aprender a linguagem técnica e o nome de todos os jogadores desta modalidade.

futebol

4) Os meninos precisam de contacto físico. 

E só de imaginar que, daqui a algum tempo, ele não vai querer que o agarre, nem que lhe dê beijos quando o deixo na creche e quando o vou buscar, eu vou aproveitando muitooooooo esta fase, em que a necessidade de mimo está muito presente.

5) Os meninos estão ligados à ficha 24 horas por dia.

É impressionante a energia que têm desde que acordam (e aqui, acorda-se muito cedo) até que chega a hora de deitar (que agora já vai começando a haver uma certa resistência para adiar sempre um bocadinho). Também me impressiona a confusão e o barulho, as guerras de almofadas, os pulos em cima de mim e do pai e, até mesmo, uma certa “brutidade” com que faz as coisas.

6) Eles vão ser sempre os companheiros, os protectores e os admiradores das suas mães!

bb

Blog | As Viagens dos Vs