Espaço Família | Como Cresceram

Psicologia

1 de Outubro de 2014

“Alguma coisa não está bem…” – adolescência e saúde mental

adolescência e saúde mental

Chegam-nos adolescentes à consulta. Chegam os pais, também, com os seus filhos.

Pais preocupados e assustados, com uma descoberta recente de que “alguma coisa não está bem”.

Ou pais frustrados com uma descoberta recente de que “alguma coisa não está bem”, sem que a consigam identificar, ainda.

Não poucas vezes, na primeira consulta ou no decorrer do processo, ouvimos estes pais dizer:

“Não percebi o que estava a acontecer. Parecia-me tudo normal… e afinal…”.

E não falamos, necessariamente, de pais ausentes ou negligentes – que o simples facto de virem até nós já é sinal de cuidado.

Precisamos de nos lembrar que falamos da adolescência. Um período de autonomização, de uma maior diferenciação dos espaços de cada um. É natural que alguns aspetos da vivência dos adolescentes escapem aos pais mais atentos.

Nas crianças, o mal-estar psicológico espelha-se em comportamentos mais exacerbados – e, também por isso, mais facilmente observáveis. Nos adolescentes, isto pode não acontecer. Pode, de facto, ser mais difícil identificar o surgimento do sofrimento psíquico.

Percebendo isto, deixamos alguns indicadores aos quais pode estar atento/a:

– Sono.

Alterações repentinas e continuadas a nível do número de horas e qualidade do sono (em excesso ou em défice). Repare se se verifica um estado de sonolência permanente ou um aspeto cansado.

– Alimentação.

Alterações a nível dos hábitos alimentares. Perceba se houve alteração na quantidade de alimentos ingeridos ou se há uma preocupação exacerbada em relação a este tema.

– Alterações de humor.

Mudanças repentinas de humor e exacerbadas sem um motivo identificável. Perceba se as oscilações de humor – muito características dos adolescentes – estão mais presentes e sem motivo aparente.

– Isolamento e desinteresse. 

Diminuição das interações sociais. Note se o/a adolescente se isola demasiado, rejeitando convites e programas após o término das aulas.

– Rendimento académico.

Diminuição ou aumento repentino do rendimento académico. Repare se se verifica o desinteresse pela escola ou um investimento quase exclusivo nesta área.

Identificando situações de desconforto, estará a preservar o bem-estar psicológico do seu filho.

logo3

Inês Carvalho

Psicóloga Clínica

Equipa Mindkiddo – área infanto-juvenil

Oficina de Psicologia

Mestrado Integrado em Psicologia Clínica, Instituto Superior de Psicologia Aplicada (ISPA – IU).