Espaço Família | Estamos Grávidos

Cuidados Pós- Parto

24 de Julho de 2014

A recuperação abdominal após o parto

1

O nascimento do 1º filho traduz o início de uma nova fase, por um lado, medos e inseguranças, por outro, o florescer de um novo e desmedido amor, por um ser tão pequeno, tão frágil, tão dependente.

O corpo modificou-se ao longo da gravidez, os dias que antecedem o parto parecem nunca mais terminar, todo o corpo se molda e adapta para comportar o peso e o volume do bebé, além de se preparar para o parto.

O exercício durante a gravidez permite que toda esta fase seja mais confortável e permita tolerar pequenos esforços, como caminhar ou subir escadas, afinal carrega-se mais 10 a 15 kilos e todas as estruturas articulares estão mais fragilizadas e os músculos mais distendidos.

A maioria das mulheres grávidas, preocupa-se muito com o parto, e na maior parte das vezes descura tudo o que vai acontecer a seguir ao parto!!!

A fase imediata ao parto e especialmente a 1ª semana, são de extrema relevância e quanto mais informadas estiverem, mais facilmente poderão tolerar esta fase sem grandes preocupações!

A questão coloca-se, o bebé nasceu, lindo e saudável, e agora???

Há várias circunstâncias a ter em conta, nomeadamente:

–       A recuperação física e psicológica da mãe

–       A adaptação do bebé ao novo meio, à amamentação, aos sonos, à temperatura, à mãe e ao pai!

–       A relação a 2 e a 3

–       As interações familiares que se alteram

O conjunto destes fatores todos é crucial à felicidade do trio pai, mãe e bebé, e também de outros irmãos caso existam.

Assim, a outrora grávida, assume o papel de mãe, e de repente vê-se repleta de uma imensa responsabilidade de cuidar do seu bebé, e todo o tipo de preocupações a invadem;

–       Será que está a mamar bem?

–       Será que respira quando eu durmo?

–       Será que o bebé está bem?

–       Entre muitas outras questões…

Ao mesmo tempo o seu corpo inicia uma longa recuperação, tanto a nível físico como emocional.

2

Ao nível físico, o útero inicia a sua regressão contraindo-se em função da amamentação. Espera-se que ao final de 1 a 2 meses volte para a posição pélvica, no entanto, só por volta dos 6 meses após o parto é que retoma o seu tamanho inicial antes de engravidar. Esta recuperação é demorada e nos casos em que a amamentação seja interrompida precocemente, deixa este processo ainda mais demorado.

A barriga que ainda permanece, assusta, e a mamã começa a achar que nunca mais vai voltar a ter o seu abdominal definido. Este facto exige um extremo cuidado, uma vez que a musculatura envolvida na definição abdominal, é constituída por 4 fortes paredes abdominais, de dentro para fora respectivamente:

–       Transverso do abdómen

–       Pequeno oblíquo

–       Grande oblíquo

–       Recto abdominal

3

Aquele que se encontra mais relacionado com os padrões estéticos, é o mais externo, no entanto, aquele que vai dar todo o suporte e sustentação é o mais interno, em conjunto com a ‘unidade interna’ que é constituída por músculos posteriores e da coluna vertebral, um grande músculo superior conhecido por diafragma, e duas cintas inferiores conhecidas por pavimento pélvico.

Se a barriga foi grande proporcionalmente às dimensões da mãe, o abdominal cede, abrindo um buraco vertical, que é normal surgir durante o 3º trimestre de gravidez e durante o trabalho de parto a que se denomina de diástase abdominal.

Numa fase imediata ao parto, toda esta musculatura encontra-se debilitada, mas em função da regressão do útero, toda esta região deve ser reativada num processo que pode ser mais ou menos lento, e que está facilitado em quem praticou exercício ao longo da gravidez.

A ativação da ‘unidade interna’ deverá ser feita de forma lenta e progressiva, com trabalho de consciência corporal e por um profissional de exercício qualificado em pós-parto, para que a ‘cinta’ interna se torne progressivamente coesa e forte de forma a poder retomar rotinas de exercício mais diversificadas e saudáveis à mamã. Em breve irá voltar a sentir-se no seu corpo anterior à gravidez, e mesmo quando o trabalho é feito de forma correta e entusiástica, poderá ficar ainda mais tonificada e definida.

4

HM - logo peq

Cristina Jorge