Espaço Família | Somos um Casal

Coaching Parental

8 de Maio de 2015

A importância de brincar (no primeiro ano de vida)

brincar

Ser mãe é desde logo uma aprendizagem. É descobrir «coisas nossas» fora de nós, todos os dias. Cada gesto e cada sorriso, ganha um simbolismo que até então nos passava completamente ao lado. É também uma enorme responsabilidade para a qual nem sempre estamos preparadas. Há dicas úteis mas não há “manual de instruções”. Principalmente no caso das mães de primeira viagem que, para além da alimentação e higiene, muitas não fazem a menor ideia do que fazer com aquele pequeno ser.

Cada filho é único e o vínculo mãe-filho deve ser estimulado desde logo.

Apesar de inicialmente os bebés interagirem pouco, é fundamental que os pais tenham a noção de que brincar com eles é fundamental porque, embora possa não parecer, estão atentos a tudo o que se passa à sua volta. E esta deverá ser a sua ocupação primordial desde que nascem.

O brincar é muito importante, não só como divertimento mas também como uma forma de desenvolver competências (físicas, de linguagem, interacção, autoconfiança, criatividade, habilidades cognitivas, aprender a conhecer e experienciar sentimentos como prazer, alegria, medo, frustração…).

O brincar deve ser partilhado e, pelo menos com os mais pequenos, sem estrutura pré-definida porque a criança que brinca é mais espontânea, tem maior facilidade de aprendizagem, é mais curiosa e o relacionamento interpessoal passa a ser mais natural. Não nos podemos esquecer que a criança não é um adulto em miniatura. É um ser único e com características próprias e, por isso, precisa percorrer todas as etapas de desenvolvimento de forma adequada. O seu primeiro apoio nesse desenvolvimento é o seio familiar e é através dele que a criança se torna mais propensa à interacção. Por isso, esta é uma excelente forma  de conhecer melhor o seu bebé e ao mesmo tempo faz com que este se sinta amado e seguro. Brinque com ele pelo simples prazer de brincar. Quando é genuino os bebés sentem e aproveitam mais.

Algumas sugestões;

– Embale o seu bebé com sons e músicas suaves. Aproveite o momento para acaricia-lo. Assim, o bebé sentir-se-á amado e protegido

– Pegue o seu bebé ao colo e estimule movimentos com os braços, levante-o de forma segura, faça cócegas

– Toque em partes do corpo do bebé e nomeie de forma ternurenta; “Onde está o nariz? (toque) O nariz… e a mão? Onde está a mão? (toque) … mão…” – à medida que for crescendo altere a brincadeira estimulando-o a identificar essas mesmas partes do corpo

– Conte-lhe histórias de forma serena e mesmo que ainda não entendam a história (não é esperado que aconteça) o simples facto de falar com ele de forma tranquila transmite-lhe uma sensação de sossego e proteção como se ainda estivesse na barriga da mãe.

Paula Brito |Psicóloga Clínica | Oficina de Psicologia

Oficina da psicologia LOGO