Espaço Família | Como Cresceram

Psicologia

7 de Março de 2016

A forma como usa a tecnologia estará a afetar o seu filho?

É mais que sabido que atualmente os aparelhos tecnológicos têm presença bastante assídua na vida das famílias. Apesar das suas inúmeras funcionalidades, existem também algumas desvantagens. Um artigo da Associação Americana de Psicologia reuniu várias investigações e opiniões de especialistas em desenvolvimento infantil que têm explorado a forma como o uso da tecnologia por parte dos pais afeta as crianças. Seguem-se algumas conclusões de diferentes estudos científicos.

tecnologia

  • Numa experiência no North Shore-LIJ Cohen Children’s Medical Centeros investigadores apuraram que os pais que estavam em parques infantis com os filhos passaram 74% do tempo distraídos com os smartphones. Neste contexto, verificou-se que havia maior probabilidade de as crianças se envolverem em comportamentos perigosos, tais como atirar areia, andar de escorrega de cabeça para baixo, saltar dos baloiços, quando os cuidadores estavam distraídos. Segundo Centers for Disease Control and Prevention (CDC), há um aumento de 10% de lesões acidentais na infância.

 

  • Uma equipa do Departamento de Pediatria do Centro Médico de Boston observou pais e as crianças em restaurantes fast-food, reparando no comportamento das famílias e na frequência com que os adultos usavam os smartphones durante a refeição. A maioria dos cuidadores utilizou os seus dispositivos móveis em algum momento durante a refeição, e destes, cerca de 40% utilizaram-nos durante a refeição inteira (por exemplo: escrevendo mensagens). Os pais mantinham o olhar no dispositivo ao responder às perguntas ou dando instruções, ou demoravam mais tempo a responder a solicitações, ou até nem respondiam ignorando os filhos.

Adicionalmente, as crianças começavam a exibir comportamentos provocatórios enquanto os pais estavam entretidos. Os investigadores verificaram que os pais mais absorvidos com os aparelhos tecnológicos eram mais propensos a responder aos filhos de forma mais rude, quer física quer verbalmente, quando as crianças se portavam mal.

 

  • Uma investigação do Departamento de Psicologia da Universidade de Essex, no Reino Unido, apurou que o uso de telemóveis tinham efeitos negativos sobre a proximidade, ligação e qualidade de conversa, podendo assim interferir com as relações humanas, um efeito que é mais claro quando as famílias discutem temas significativos.

 

  • A este respeito, a investigadora Sherry Turkle afirma que as crianças estão a ser privadas de conversas importantes com os seus pais devido às interrupções da tecnologia. Para além disso, tece algumas reflexões sobre a forma como estes pais não estão a ser bons modelos no que respeita a ensinar a criança a importância de experienciar solidão e aborrecimento, sem recorrer à utilização de tecnologia.

 

De forma a ajudar as famílias a se reconectarem, os especialistas recomendam:

– acordar antes das crianças para consultar email ou tratar de assuntos online;

– desligar os aparelhos durante as refeições, visto serem momentos diários muito importantes em família, quer a nível de saúde e nutrição, quer a nível de bem estar psicológico e partilha  entre os membros familiares;

– não utilizar tecnologia no final do final e na hora de deitar as crianças, momento em que os mais pequenos gostam de brincar, conversar e trocar miminhos;

– partilhar com as crianças o que estão a fazer quando estão a utilizar a tecnologia de forma a que a criança não se sinta tão isolada;

– quando estiver à espera de algo, não recorra de imediato ao seu gadget, aproveite o momento e dê atenção à criança;

– convidar familiares e amigos para conviverem cara a cara, ao invés de ser através de ecrãs.

 

  • A psicóloga clinica Catherine Steiner-Adair relata algo que também nós, psicólogas infanto-juvenis na Oficina de Psicologia, observamos em consultório: crianças que se sentem em segundo plano quando os pais estão constantemente envolvidos em conversas telefónicas, com smartphone, tablet ou computador. Sentem que têm de competir com os dispositivos tecnológicos dos pais para terem atenção.

Não deixe que um aparelho tecnológico lhe roube a si e aos seus familiares bens tão preciosos como o seu tempo e atenção!

 Fonte: traduzido e adaptado de American Psychological Association (http://www.apa.org)

Raquel Carvalho

Psicóloga Clínica

Equipa Mindkiddo 

 

Logo