Mães e Pais na 1ª Pessoa

Inês Simões 

Eu, Mãe

A cómoda do baby Miguel

Já ia atrasada para a organização da cómoda do baby Miguel… Mas finalmente cheguei lá e estou submersa em mini mangas e azul bebé! Então vamos lá compilar umas ideias sobre o assunto.
Talvez seja por serem rapazes, mas não me faz falta um guarda-fatos, uma cómoda para cada um dos meus meninos chega. Os fofos e cueiros são mais díficeis de manter dobradinhos, mas é só, não vale um móvel inteiro…

O meu modus operandi foi o seguinte:

24.09.2013 - A

Primeiro: ver o que eu quero e não quero usar, de roupa minha ou emprestada. Ir juntando tudo e separando. Com tantas peças acumuladas, já posso fazer uma triagem entre o que realmente gosto ou preciso ou já não está em condições. E eu geralmente quero tudo, sou uma baby hoarder!

Segundo: ver o que tem de ir a corar e o que vai apenas a lavar. Os velhinhos sabões clarim ou azul e branco resultam muito bem nas manchas que resolvem aparecer meses depois de supostamente terem desaparecido, as sacaninhas! Para lavagem normal, um detergente especialmente suave para roupa de bebés será o ideal. Tudo no supermercado, no sweat.

Terceiro: Separar a roupa por meses/idade e apenas guardar na cómoda ou gavetas principais o que for do tamanho actual. Há marcas que vestem pequeno (a Laranjinha, ou a Knot, por exemplo), pelo que um tamanho 3 meses pode transitar para 1 mês e vice-versa. Às vezes pode ser melhor comparar as peças e ver se o tamanho real é o mesmo ou não.

24.09.2013 - B 24.09.2013 - C

Quarto: Separar a roupa. Com as gavetas de cómoda que eu tenho, acabei por fazer a seguinte divisão:

Numa gaveta, roupa de dentro (bodys de manga curta, bodys de manga comprida, calcinhas interiores, bodys com gola), noutra, babygrows e cueiros, noutra, casaquinhos e roupa de fora ou sair.

24.09.2013 - D

Quinto: fazer nova contagem de peças e comprar ou orientar o que ainda falta para compor o ramalhete.

Quanto a quantidades: eu tento ter pelo menos 10 de cada peça de roupa interior. Às vezes pode ser preciso mais, às vezes menos, muitas vezes essa necessidade pode simplesmente depender da regularidade de lavagens que se faça ou de o bebé ser especialmente “extravazante”, por cima e por baixo! Quanto à exterior, acho que as quantidades estão directamente dependentes da nossa resistência à tentação. E a tentação é GRANDE! Eu tenho imensa roupinha de fora, mais do que me permito contar ou do que ele vai usar… O que vale é que tenho muitas peças lindas emprestadas, o que me faz recuar um pouco na sangria. Acabo por ter mais pena de não lhe vestir as peças do que de não as comprar, por isso lá vou resistindo. Além disso,maravilha de ter rapazes, não há uma tremenda escolha para nos tentarmos, a dor não é muita… Mas no fim, quem resiste?

24.09.2013 - E

Não vejo a hora de ver o meu baby Miguel nestes fatinhos…

 

24.09.2013 - F

Por fim, sem querer entrar no departamento atoalhados e roupa de cama (o que, btw, é um óptimo presente para oferecer a recém pais – em vez de mais um babygrow, mais um conjunto de lençóis pode ser bastante útil…), eu sou super fã destas toalhinhas turcas que se pode encontrar na Zara Home. São super amorosas, pequeninas e óptimas para fugir às eternas fraldas de pano ou complementar o babete. Gosto sempre de as ter à mão!

Aqui  podem ver outro post com o que eu já aprendi sobre roupinha para recém nascidos.

 

Blog As Maravilhas da Maternidade