Mães e Pais na 1ª Pessoa

Inês Simões 

Eu, Mãe

9 MESES DE MIGUEL

O meu bebé Miguel já tem nove meses de alegria.

Vejo estas fotografias, todas alinhadinhas, a recordar como passou o meu bebé estes meses e penso que ele não poderia ser outro. Que não poderia ter outro sorriso rasgado, outras covinhas nas bochechas, outros olhos brilhantes. Que não seria o meu filho Miguel se não estivesse sempre alerta, se não falasse alto, se não batesse forte na mesa. Que eu não seria a mesma se não ouvisse a sua gargalhada quando nos vê, se não o visse a delirar com o irmão, se não o soubesse tranquilo e feliz, muito feliz.

O Miguel obrigou-nos a partir muita pedra nos primeiros meses, mas dá-nos as horas acordadas daqueles dias em horas de alegria hoje, com juros. E horas de sono em atraso. O Miguel hoje dorme bem, come bem, fica bem, todos dizem que é um anjinho, este tão apregoado diabinho. Eu digo que está bonzinho, a passar por uma fase boa, eu muito humilde, para não agoirar.

Uns dias dorme sestas longas, noutros uma horita, mas dorme as suas sestas como eu tanto queria. Adormece sozinho e muito bem no seu silêncio, em qualquer berço no escuro seguro. Mas se há animação, a conversa é outra. Quer ver tudo, quer participar, olha, esperneia, grita. Fica exausto, não dorme, mas não se queixa. É o maninho perfeito, podemos levá-lo para qualquer lado, cortar-lhe quantas horas de sono quisermos, saltar sestas, com ele não há problema, quem lhe dera mais rock! Eu, a freak do sono dos meus meninos, penitencio-me por não lhe velar as horas de descanso que ele precisa e merece, mas já me conformei com a sua sina de segundo filho, o ter de alinhar com a família, com as aventuras do irmão. E ele alinha sempre, é um anjinho. Sim, está mesmo um anjinho, este meu diabinho, pronto!

E quem diria que este meu filho, sempre tão rijo e arqueado, prometendo muita acção e pouca palavra, afinal ainda não gatinha, mas já diga “olá”? Apenas na semana passada começou a pôr-se de gatas, e agora não perde uma oportunidade para baloiçar-se assim, de gatas para frente e para trás. Anda tão maluco com isso de se ter sentado e posto de gatas que me faz a vida negra na hora de mudar a fralda ou vesti-lo, andamos em lutas de Vale Tudo autêntico

Adivinho-lhe os caracóis lindos que já se começam a formar, o eterno risco ao lado cada vez mais ondulado, um charme, os olhos que estranhamente ainda são esverdeados (será…?), o levantar do sobrolho que já ensaia sem querer, a tenacidade nas palavras que hoje apenas grita. Vai ser um matador este rapaz, cuidado meninas!

Será que vai usar óculos como o irmão? Será que vai ser alto como o pai? Será que vai abraçar-me sempre como já abraça agora? Meu amor pequenino, dá-me todas as respostas, a seu tempo, por muito tempo.

2

Blog | eu, mãe